João Gordo: Entrevista em Londres (1998)


Ratos de Porão (RDP) em Londres

Data: 23/08/1998

Foi um dia difícil pois tive que sair correndo do interior da Inglaterra onde estava cobrindo o V98 Festival. Quando cheguei no The Garage, um espaço de show meio underground perto da estação do metrô de Highbury & Islington, ainda tinha a minha credencial VIP do V98 no pulso.

Toda correria valeu a pena porque, encontrei o Gordo feliz, satisfeito e bem humorado, pois já tinham tocado para casas lotas em Sheffield, Manchester, Birmingham, Bristol e agora fechavam com chave de ouro em Londres. Aliás a Patricia, minha filha, tinha chego antes e tinha ido com a banda tomar alguma coisa no “pub” da esquina.

O Gordo estava visivelmente emocionado com esta tour que, segundo ele, tinha sido muito especial, pois além de ser a primeira vez que se apresentavam no Reino Unido ainda tinha se apresentado no Festival Sudoeste em Portugal para 32.000 pessoas e dividido o palco com nada mais nada menos que PJ Harvey, Sonic Youth, Therapy? E The Cure. Outro acontecimento importante foi a participação na Festas de Bilbao no país Basco (Espanha) onde foram consagrados por 7.000 pessoas e tratados como superstars.

O Show (RDP + Verukers + Restart + Hatreds);

Muito embora eu não classifique o som do Ratos como punk, pelo menos em espírito a coisa estava brava, com um público bem barra pesada tipo “marcou dançou”.

O Show da banda Restart passou despercebida, apesar de energética. Já a próxima banda The Hatreds era muito boa e prendeu minha atenção com um som pesadíssimo, bem trabalhado, mais para o thrash do que qualquer coisa e um vocalista competente. Já a banda veterana The Verukers mostrou que infelizmente seu punk rock está totalmente defasado e a banda realmente estava precisando de ensaio. Teve até um momento que o baixista esqueceu a sua parte.

De qualquer forma, a atitude anarquista e relaxada da banda somada à uma platéia completamente chapada e cheia de amigos fez tudo misturar-se com naturalidade e ninguém notou nada.

Verukers

O Rato Detona

 

Eu tinha visto o Gordo e sua turma em ação duas vezes.
 
 
Uma abrindo para o Sepultura e Napalm Death e, anos depois, abrindo para o Helmet.
 
Na época fiquei decepcionado com a performance do Gordo abrindo para o Helmet, muito certinha, diferente e comportada em comparação com a paulada que foi o show abrindo para os Seps e Napalm Death.

 

João Gordo

Desta vez, foi diferente e a banda botou 100% no palco com o Gordo superando-se numa apresentação impecável. Foram umas 30 músicas onde o povo agitou o tempo todo. O Gordo mostrou todo o seu carisma e, percebendo que haviam muitos espanhóis além de portugueses e italianos na platéia, ainda achou tempo para soltar uns palavrões em espanhol para deleite dos fãs.

Boca

No final, depois de voltar duas vezes ao palco já nos camarins, tive a oportunidade de bater um papo com o Gordo que suava bicas e não conseguia enxugar-se completamente pois, quando acabava de enxugar as costas, o rosto e os peitos já estavam escorrendo novamente.

Jão
Fralda

Entrevista

Barbieri: “-Quantas vezes vocês já vieram para a Europa?”

João Gordo: “-Acho que esta é a sétima ou oitava. Há dois meses atrás nós fizemos 50 shows passando por Portugal, Espanha, França, Bélgica, Alemanha onde fizemos 19 shows, depois Áustria, Eslovênia, Croácia e Itália. Na Itália nós só tocamos em casas invadidas.”

Barbieri e João Gordo no The Garage
Barbieri: “-Qual foi a melhor turnê?”
João Gordo: “-Acho que só agora é que as coisas estão realmente começando a acontecer. Que a gente está começando a pegar um nome. Nosso disco novo está sendo lançado pela Alternative Tentacles dos Estados Unidos com distribuição na Europa. Nós temos colocado muito público onde temos tocado principalmente na Alemanha, na Bélgica... Quer dizer, já tem um monte de gente que conhece o RDP.”

Barbieri: “-Que você achou desta sua primeira tour pela Inglaterra?"
João Gordo: “- Para mim foi um sonho de punk rock. Conheci todos os ídolos da minha juventude... absolutamente todos!” Começando que toquei com o pessoal do The Varukers e depois encontrei-me com o baterista do Doom além de mais de 10 músicos de um monte de bandas do passado. O meu show de Bristol estava cheio de gente importante da antiga. Para mim que passei a minha vida curtindo este tipo de som, é realmente uma glória, um presente que eu nunca pensei receber.”

Barbieri: “-E o futuro?"
João Gordo: “-Bom, no Brasil não pega nada. A gente continua tocando, mas é aquela merda de sempre. Acho que vamos fazer uma tour com o GBH, mas estou até com medo pois vai ser um inverno bravo pela Polônia e Checoslováquia... nós vamos pegar uns “300” abaixo de zero! Nós também obviamente pretendemos voltar em breve para tocar na aqui na Inglaterra.”

Barbieri: “-Recentemente você foi brindado com uma foto na capa da revista Dynamite..."
João Gordo: “-Bateu legal! A Dynamite foi a única revista que me deu uma capa.

Na Rock Brigade eu tive que dividir com o Max. O Ratos de Porão nunca foi capa de porra nenhuma no Brasil. Nunca foi convidado para tocar em nenhum festival. Lá no Brasil ninguém nos deu o devido valor, o valor que o povo europeu nos dá, onde já fazemos parte da história do hardcore punk mundial."



Revista Dynamite
Metal Forces Magazine

numero_35.jpg

Esta matéria é de autoria do Barbieri e foi originalmente escrita para a Revista Dynamite,

tendo sido publicada na sua edição de fevereiro/março 1999.

 

Copy Desk

Andrea Falcão

 

Diagramação, Revisão e Atualização

A. C. Barbieri

 

Comments (0)

There are no comments posted here yet

Leave your comments

Posting comment as a guest.
Attachments (0 / 3)
Share Your Location
Type the text presented in the image below

Comentários

Anderson Freitas posted a comment in Monterey Pop Festival (1967): Contado por quem esteve lá!
Saudações! Eu sempre acesso esse site para ler essa história. Fique muito triste agora. O senhor Stan Delk faleceu em 2016.<br />https://www.findagrave.com/memorial/171638689<br /><br />Descanse em Paz!<br /><br />Barbieri Comenta: Ele foi muito gentil comigo, disponibilizou o seu texto e acreditou nas minhas boas intenções! Quanto a matéria ficou pronta ele ficou muito satisfeito! R. I. P.
Neuza Maria posted a comment in Tony Osanah: Um argentino bem brasileiro
Muito interessante essa matéria sobre o Tony Osanah. Sou amiga pessoal dele há mais de 30 anos e hoje relembrei muitas coisas sobre ele, que já havia me esquecido. Grande talento! Ele está em visita no Brasil, esteve em Peruíbe até o dia 24 de janeiro e deverá retornar para a Alemanha no dia 07 de fevereiro. Pena que não programou nenhuma apresentação por aqui.
Daniel Faria posted a comment in JAJI: Homenagem postuma!
Tive o grande prazer de trabalhar com Jaji na decada de 1990. As festas no apartamento dele eram legendárias. Só fiquei sabendo da morte dele em 2017 e fiquei bem triste. Ele faz falta e será sempre honrado pelo público Metal de São Paulo.
Olá Barbieri! Que legal esse artigo, é sempre maravilhoso poder "beber" de fonte sábia. Neste sábado, 13/01/2018, teremos a chance de conferir o ensaio aberto da Volkana no Espaço Som, em São Paulo. A boa notícia é que, a exemplo do Vodu, que voltou à ativa em 2015, as meninas também decidiram se reunir, esperamos ansiosos que depois desse ensaio aberto role outros shows por ai. Um grande abraço!
Já sofremos muito também tentando fazer festivais. Mas resolvemos nos dedicar ao rock nacional de outras formas. Lançamos nosso primeiro disco https://base.mus.br que é para mostrar nosso amor pelo rock brasileiro.
André Luiz Daemon posted a comment in Luiz Lennon (Beatles Cavern Club)
Olá, boa noite! Alguém poderia me dizer o nome da música de abertura do programa Cavern Club que foi ao ar após o falecimento do saudoso e inesquecível Big Boy.<br />Logo após o seu falecimento, outro locutor entrou em seu lugar, e a abertura do programa era com o ex-Beatle Ringo Starr cantando.<br />Se alguém souber, por favor, me mande por e-mail, procuro essa música há muitos anos e signiifca muito para mim.<br />Valeu, abraços aos Beatlemaníacos que nem eu!!
José Carlos posted a comment in Tony Osanah: Um argentino bem brasileiro
Confirma pra mim, eu ouvi falar que o vocal da música Graffitti do Paris Group e de Tony Osanah, e que na realidade a banda nunca existiu. Foi um jingle produzido exclusivamente para a propaganda da calça Lewis e devido ao sucesso na televisão foi forjada uma banda para gravar um compacto e faturar uma grana em cima. É verdade?<br /><br />Oi José Carlos, sinto muito mas não tenho como confirmar esta história, entretanto, sei que nos anos 60 e 70 várias bandas brasilerias gravaram faixas em inglês usando nomes fictícios. Quer dizer, não será surpresa se for verdade!
Em se tratando de ROCK, é sem dúvida A Melhor Banda de ROCK até hoje.Acho o som deles o máximo. Conheci a pouco tempo (2010) e ouço desde então... Muito feras
jeronimo posted a comment in Delpht - Far Beyond (CDR Demo - 1997)
você podia disponibilizar essa demo para download pois ela não se encontra a venda
Parabéns Barbieri!!! ficou perfeito, muito original e harmônico, com o peso certo. Muito gostoso ouvir seu som.
CK posted a comment in Carioca & Devas
Ei! Obrigado por este artigo, ótima história e histórias.<br /><br />Hey! Thank you for this article, great history and stories. <br /><br />Thanks again!<br /><br />CK
Eu tinha 14 para15 anos em 1966 quando estava com outros amigos mais velhos e todos cabeludos na Av.Sao Luiz quando começaram a jogar pedras e saímos correndo pela. 7 de abril descemos a 24 de maio queriam nos matar uma multidão eu entrei no Mappin até chegar a polícia para nós tirar de lá.
De acordo com um set list desse show que achei na minha coleção, as músicas tocadas foram Maria Angélica, Perfume, British, Variações, Dissipações, Súplicas, Boca e Vade Retro.
Muito legal ver isso. Estive em muitos shows aqui relatados. O festival com o Dorsal, Vulcano em Santos, teve uma cena memorável quando o vocalista do Crânio Metálico, da Bahia, entendeu que as pessoas gritavam "côco metálico" para a banda e nao o nome coorreto. Ele se indignou com a falta de respeito e chamou as pessoas as briga. Muitos se solidarizaram com o vocalista da banda e o aplaudiram, repugnando o preconceito. Me lembro ainda que nesse show jogaram confete na apresentação do Vulcano e depois a serragem. Era tempo de ascenção do Death Metal e que muitos ridicularizavam o Black Metal... Cena triste também... Mas foi uma noite ótima. Vulcano mandou bem e Dorsal fez um show primoroso.
Charles Campos posted a comment in Soul of Honor
https://www.youtube.com/watch?v=Sn2ckIF0Gbk
Charles Campos posted a comment in Soul of Honor
Boas recordações de minha adolescência!!!<br />Assisti a uma apresentação do <br />Bodas de Sangue no Espaço Retrô (Senão estiver enganado)<br /><br />Foi uma baita apresentação!!!
CASSIO VIEIRA posted a comment in Carioca & Devas
Pessoal, alguém saberia me dizer se neste 'Ensaio (1977)' é o Tom (acho que o sobrenome dele é De Maia ou algo assim) que está tocando bateria? Ele morava no meu bairro, e o pai dele era dono da escola em que eu estudava, Colégio 7 de Setembro.
"Suspeitei desde o principio..." (Chapolin Colorado)<br /><br />Muito legal o texto, vivo fazendo coisas no automatico e com o maior temor de ter um colapso mental, e tenho tambem aprendido coisas novas sempre, autodidata por natureza. Agora estou mais tranquilo e posso tranquilizar outras pessoas a minha volta, a solucao e a causa do problema sao simples, (talvez eu tenha que me render aos passinhos de dança do ventre de vez em quando...).<br />Parabens pelo texto
Articles View Hits
2567606

We have 115 guests and no members online