Homosinteses

abstrato

HOMOSINTESES
Escrito por Antonio Celso Barbieri

Nada como respirar a brisa fresca da tarde. Ar puro com cheiro de verde. Olhando para o céu de um azul imaculado, sem uma só nuvem, eu buscava um pontinho, uma cor diferente que destruísse aquele senso de perfeição. A palavra ”irreal” tomava conta da minha mente fazendo-me desconfiar dos meus próprios sentidos e, justamente por isso mesmo, fazendo com que a realidade daquele céu parecesse brutalmente palpável como se a Terra estivesse cercada por uma frágil redoma de vidro azulado pronta para partir-se e despencar-se na minha cabeça numa chuva de cacos pontudos e azulados.

De repente perturbado pelo súbito despertar à realidade física ao meu redor, deparei-me sentado num banco de madeira à contemplar um lago com mais ou menos um quilometro de diâmetro. O lago com sua forma circular absolutamente perfeita possuía em torno dele um pequeno anel de asfalto negro que, na margem do lago perdia-se dentro da água. No limite, separando o asfalto negro da grama verde encontravam-se os bancos de madeira, todos iguais e separados por intervalos precisos como se estivessem marcando os minutos num gigantesco relógio. No gramado mais para o fundo as arvores, todas da mesma espécie, pontiagudas, apontado para o céu, pareciam ter sido todas plantadas no mesmo dia e, clonadas uma das outras. A água do lago, estática, sem uma onda, sem uma impureza, um gravetinho flutuante que fosse, refletia o azul do céu como se fosse um espelho. Duas fatias de pão azulado sanduichando-me no meio. Quebrando a imobilidade mas, ao mesmo tempo, aumentando o senso de repetição e continuidade, do outro lado do lago, um grupo de seis pessoas lentamente prosseguem metodicamente na sua corrida pelo asfalto em torno do lago, alcançando cada banco como se fossem os ponteiros do relógio. Tique, taque, tique, taque...

O lago, um “círculo perfeito”. Meu antigo professor de geometria à muito muito tempo atrás me disse que um círculo perfeito não pode ser produzido, que o círculo perfeito é uma abstração geométrica que, tem vida apenas na nossa mente. Na minha eterna busca pela essência e significado da vida não posso deixar de sentir que o círculo está impregnado em tudo. A esfera não deixa de ser um círculo tridimensional. Desta forma, o universo é esférico, assim como as estrelas e os planetas com suas trajetórias elíptico circulares. No mundo sub atômico tudo indica que as partículas também estão presas às suas órbitas circulares. Não esqueçamos do óvulo, mãe da humanidade. Um dos aspectos do círculo que mais me fascina e que sinto dentro de mim talvez seja o elemento mais importante, é a questão da continuidade, do “loop”, da repetição. E se tem repetição tem movimento, freqüência, e de certa forma, é vida que não tem começo e que não tem fim. Infinito. Eternidade.

Próximo aos meus pés, vejo no chão duas folhas verdes e amarelecidas nas pontas. Como elas chegaram lá eu não sei pois eu não as tinha notado antes. Curvo-me para a frente e observo-as atentamente notando que as mesmas são desagradavelmente iguais. O amarelo envelhecido obedecendo padrões idênticos, as veias alastrando-se pelas folhas seguindo em ambas os mesmos caminhos como se estivessem tentando irrigar dois cérebros verdes porem já mortos. Meu Deus, tudo é tão estranho e irreal, sintético mesmo. Tão perfeito que machuca. E perfeição é outra coisa que só existe na mente. Um círculo perfeito. Será Deus um círculo, uma força em movimento, algo sem começo e sem fim? Algo que só existe na mente, preciso como uma fórmula matemática.

Perfeito na sua intransigência contra a imperfeição, no radicalismo do não retorno. Perfeito na impossibilidade da compreensão…Como absorver a perfeição dentro de algo tão imperfeito e finito como nós?

Mergulhado no silêncio dos meus pensamentos mas, com as veias esverdeadas daquelas folhas alastrando-se no meu cérebro, buscando caminhos como a água da chuva na terra seca, sou lentamente trazido à tona, pelo som da cadência rítmica dos corredores que se aproximam. Tique…….taque, Tique…….taque. Como um pequeno comando militar, cinco homens um atrás do outro com um sexto correndo paralelamente junto do último da fila aproximam-se em passos largos mas lentos, muito lentos. Mais parecem astronautas num bale coreografado andando na superfície da Lua. Seus braços em movimento sincronizado. Como uma antiga locomotiva com todas as suas rodas girando ao mesmo tempo. Partes de uma máquina invisível. Os homens todos nus, e iguais, sem nenhum cabelo no corpo, todos com uma gota de suor na testa, escorrendo exatamente no mesmo lugar. Sem expressão, os olhos vidrados, fixados num ponto distante e inatingível. Passam por mim sem notarem a minha presença, muito embora eu estivesse à um metro deles. Como manequins de vitrine. Nus e esperando para serem vestidos e personalizados. Serão Deuses? Serão todos apenas um? Músculos em movimento, correndo para completar a volta, o círculo. Deus. Círculo.

”-Dash!”

Deus. Círculo. Deus. Círculo. Deus. Círc...

”-Dash!” Repetiu a voz em seu cérebro.

Hum..Humm...Loop. Repetir. Círculo. Deus. Deus. De...

”-Dash! Acorde!” repetiu a voz com mais ênfase.

Com dificuldade, como se estivesse saindo de um estado de coma, Dash reconheceu a voz melódica, tranqüila e assexuada da sua SI (Servo Inteligência).

”-O que você quer?” Com um amargor na boca, Dash falava com dificuldade e mau humor como se ainda estivesse preso naquele sonho estranho.

”-Não sou eu que quero. Eu fui instruído por você mesmo a acordá-lo exatamente às 10 horas da manhã pois você me disse ontem que tinha que mudar seus hábitos. Você disse também que tinha chegado à conclusão que dormir o dia todo era um tipo de fuga da realida...”

”-X quer fazer o favor de deixar-me em paz!” Dash interrompeu sua SI bruscamente.

Do lado do seu colchão anti-gravitacional, X que era o nome carinhoso dado por Dash silenciou-se. X não tinha braços nem pernas e, sua forma cônica terminando com uma esfera na ponta mais lembrava uma daquelas antigas esculturas funcionais feitas pelos antigos seguidores da Bauhaus. Na sua base, a mesma tecnologia usada no seu colchão era usada para criar um pequeno campo anti-gravitacional que o mantinha poucos centímetros acima do chão. Movimentava-se silenciosamente de um lado para outro e, sempre estava à mão para qualquer dúvida ou para aquele bate-papo. X vivia conectado permanentemente via MegaNet com a BET (Biblioteca Eletrônica Terrestre). A BET incorporava todo tipo de informação tanto gráfica, visual como sonora. Desde a unificação da Terra a BET assim como a MegaNet tinham ganho uma importância sem precedentes na distribuição de informação e conhecimento.

A verdade é que agora Dash já não conseguia mais dormir. O silêncio de repente ficou insuportável e a presença muda da SI ali parada e imóvel era perturbadora. Dash observou aquela bola sem expressão e teve pena. Afinal de contas, X por meses tinha sido sua única companhia diária.

”-X perdoe-me?” Dash tentou recompor-se, limpando a garganta e continuou:

”-Você sabe...” E, usando a sua frase favorita acrescentou:

”-Alguém tem que pagar por isto!” Dash deu uma pausada para meditar e, continuou falando como se estivesse falando com sigo mesmo:

“-Eu estou aqui trancafiado por meses, só acumulando tensão e, acabo desabafando em quem está mais próximo. Se eu não espernear, fico louco!”

”-Eu entendo.” Respondeu X, acrescentado filosoficamente:

”- A liberdade é uma necessidade fundamental para todos os seres humanos.”

”-O que você entende à respeito de liberdade?” Dash explodiu indignado. E, sentindo-se como uma ilha continuou:

”-Você não passa de uma…”

”-Servo Inteligência?" X interrompeu candidamente e continuou:

”-Percebo que você está deprimido o que é bem natural diante das circunstancias. Eu não sei se este é um bom momento para uma discussão intelectual entretanto, devo salientar que uma rápida passada de olhos pelos bancos da BET mostra que antes da Grande Unificação os povos lutaram muito em busca de liberdade.”

”-X você não vê que tudo é relativo! O que é liberdade para um é repressão para outros! De qualquer forma você não tem idéia de como me sinto.” Dash cobriu o rosto com as mãos, encolhendo-se todo ao mesmo tempo que seu corpo virou no espaço para em suspensão dar as costas para o X.

”-Dash você está cometendo um engano. Certamente eu nunca vou poder experimentar as mesmas emoções que você. Aliás, nenhum ser humano ou SI pode. Um escritor chamado Audous Huxley escreveu à muito tempo atrás que, “Os amantes procuram em vão unir seus êxtases isolados” ele disse também que “Os mártires penetram na arena de mãos dadas mas morrem sozinhos”. Eu acho que estas frases exemplificam muito bem o problema da transmissão da nossa experiência para os outros. Eu nunca vou experimentar o seu sofrimento ou o seu prazer mas, eu posso comparar com o dos outros e ter uma idéia. É mais ou menos o que vocês humanos definem como sendo “empatia”.

”-Ok, ok ,ok X. Você tem razão. Desculpe-me novamente.” Dash sentia-se um perdedor.

”-Anime-se! Eu tenho a solução para o seu problema imediato.” Continuou X como se nada tivesse acontecido.

”-Dash o que você precisa é de um bom café da manhã!”

X tinha razão e Dash sabia disto.

Antonio Celso Barbieri

 

Comentário do Barbieri

Desde que me recordo sou fã de histórias de ficção científica. Eu concebi este conto por volta de 1986. Tinha lido um livro do escritor Isaac Asimov. Era uma coletânea dos seus primeiros trabalhos cheia de pequenos contos. Neste livro, antes de cada conto o escritor explicou qual foi o motivo que o levou a escrever aquela história em particular. Para mim esta leitura foi quase como um curso. Num dos seus comentários, Isaac Asimov esclareceu os leitores dizendo que ele gostava de pegar um problema real como por exemplo a Guerra Fria onde existia um conflito entre USA e União Soviética e, extrapoláva-o para um sistema planetário criando uma guerra interplanetária.

Eu, resolvi fazer o mesmo. O que o leitor leu nesta página foi só a introdução. O texto completo nunca foi escrito e continua dentro da minha cabeça. O interessante é que do jeito rápido que a ciência caminha logo minha idéia inicial será ultrapassada.

Para mim, pessoalmente, o conto acima tem relevância maior porque discute rapidamente alguns assuntos que acho fundamentais na minha existência. Este conto tem também um carácter premonitório no sentido de que, o lago descrito no começo do conto é muito semelhante ao pequeno lago circular do Hyde Park aqui em Londres. E, para mim, a questão das coisas iguais, da repetição tem muito à ver com a arquitetura da Inglaterra com uso intensivo do tijolo à mostra em suas casas todas semelhantes. Por volta de 1986 eu não tinha idéia, nunca poderia imaginar que, um dia eu acabaria morando em Londres.

Comments (1)

adorei o conto acima escrito, descreve em parte assuntos que têm acontecido na vida real.

 
There are no comments posted here yet

Leave your comments

Posting comment as a guest.
Attachments (0 / 3)
Share Your Location
Type the text presented in the image below

Comentários

Anderson Freitas posted a comment in Monterey Pop Festival (1967): Contado por quem esteve lá!
Saudações! Eu sempre acesso esse site para ler essa história. Fique muito triste agora. O senhor Stan Delk faleceu em 2016.<br />https://www.findagrave.com/memorial/171638689<br /><br />Descanse em Paz!<br /><br />Barbieri Comenta: Ele foi muito gentil comigo, disponibilizou o seu texto e acreditou nas minhas boas intenções! Quanto a matéria ficou pronta ele ficou muito satisfeito! R. I. P.
Neuza Maria posted a comment in Tony Osanah: Um argentino bem brasileiro
Muito interessante essa matéria sobre o Tony Osanah. Sou amiga pessoal dele há mais de 30 anos e hoje relembrei muitas coisas sobre ele, que já havia me esquecido. Grande talento! Ele está em visita no Brasil, esteve em Peruíbe até o dia 24 de janeiro e deverá retornar para a Alemanha no dia 07 de fevereiro. Pena que não programou nenhuma apresentação por aqui.
Daniel Faria posted a comment in JAJI: Homenagem postuma!
Tive o grande prazer de trabalhar com Jaji na decada de 1990. As festas no apartamento dele eram legendárias. Só fiquei sabendo da morte dele em 2017 e fiquei bem triste. Ele faz falta e será sempre honrado pelo público Metal de São Paulo.
Olá Barbieri! Que legal esse artigo, é sempre maravilhoso poder "beber" de fonte sábia. Neste sábado, 13/01/2018, teremos a chance de conferir o ensaio aberto da Volkana no Espaço Som, em São Paulo. A boa notícia é que, a exemplo do Vodu, que voltou à ativa em 2015, as meninas também decidiram se reunir, esperamos ansiosos que depois desse ensaio aberto role outros shows por ai. Um grande abraço!
Já sofremos muito também tentando fazer festivais. Mas resolvemos nos dedicar ao rock nacional de outras formas. Lançamos nosso primeiro disco https://base.mus.br que é para mostrar nosso amor pelo rock brasileiro.
André Luiz Daemon posted a comment in Luiz Lennon (Beatles Cavern Club)
Olá, boa noite! Alguém poderia me dizer o nome da música de abertura do programa Cavern Club que foi ao ar após o falecimento do saudoso e inesquecível Big Boy.<br />Logo após o seu falecimento, outro locutor entrou em seu lugar, e a abertura do programa era com o ex-Beatle Ringo Starr cantando.<br />Se alguém souber, por favor, me mande por e-mail, procuro essa música há muitos anos e signiifca muito para mim.<br />Valeu, abraços aos Beatlemaníacos que nem eu!!
José Carlos posted a comment in Tony Osanah: Um argentino bem brasileiro
Confirma pra mim, eu ouvi falar que o vocal da música Graffitti do Paris Group e de Tony Osanah, e que na realidade a banda nunca existiu. Foi um jingle produzido exclusivamente para a propaganda da calça Lewis e devido ao sucesso na televisão foi forjada uma banda para gravar um compacto e faturar uma grana em cima. É verdade?<br /><br />Oi José Carlos, sinto muito mas não tenho como confirmar esta história, entretanto, sei que nos anos 60 e 70 várias bandas brasilerias gravaram faixas em inglês usando nomes fictícios. Quer dizer, não será surpresa se for verdade!
Em se tratando de ROCK, é sem dúvida A Melhor Banda de ROCK até hoje.Acho o som deles o máximo. Conheci a pouco tempo (2010) e ouço desde então... Muito feras
jeronimo posted a comment in Delpht - Far Beyond (CDR Demo - 1997)
você podia disponibilizar essa demo para download pois ela não se encontra a venda
Parabéns Barbieri!!! ficou perfeito, muito original e harmônico, com o peso certo. Muito gostoso ouvir seu som.
CK posted a comment in Carioca & Devas
Ei! Obrigado por este artigo, ótima história e histórias.<br /><br />Hey! Thank you for this article, great history and stories. <br /><br />Thanks again!<br /><br />CK
Eu tinha 14 para15 anos em 1966 quando estava com outros amigos mais velhos e todos cabeludos na Av.Sao Luiz quando começaram a jogar pedras e saímos correndo pela. 7 de abril descemos a 24 de maio queriam nos matar uma multidão eu entrei no Mappin até chegar a polícia para nós tirar de lá.
De acordo com um set list desse show que achei na minha coleção, as músicas tocadas foram Maria Angélica, Perfume, British, Variações, Dissipações, Súplicas, Boca e Vade Retro.
Muito legal ver isso. Estive em muitos shows aqui relatados. O festival com o Dorsal, Vulcano em Santos, teve uma cena memorável quando o vocalista do Crânio Metálico, da Bahia, entendeu que as pessoas gritavam "côco metálico" para a banda e nao o nome coorreto. Ele se indignou com a falta de respeito e chamou as pessoas as briga. Muitos se solidarizaram com o vocalista da banda e o aplaudiram, repugnando o preconceito. Me lembro ainda que nesse show jogaram confete na apresentação do Vulcano e depois a serragem. Era tempo de ascenção do Death Metal e que muitos ridicularizavam o Black Metal... Cena triste também... Mas foi uma noite ótima. Vulcano mandou bem e Dorsal fez um show primoroso.
Charles Campos posted a comment in Soul of Honor
https://www.youtube.com/watch?v=Sn2ckIF0Gbk
Charles Campos posted a comment in Soul of Honor
Boas recordações de minha adolescência!!!<br />Assisti a uma apresentação do <br />Bodas de Sangue no Espaço Retrô (Senão estiver enganado)<br /><br />Foi uma baita apresentação!!!
CASSIO VIEIRA posted a comment in Carioca & Devas
Pessoal, alguém saberia me dizer se neste 'Ensaio (1977)' é o Tom (acho que o sobrenome dele é De Maia ou algo assim) que está tocando bateria? Ele morava no meu bairro, e o pai dele era dono da escola em que eu estudava, Colégio 7 de Setembro.
"Suspeitei desde o principio..." (Chapolin Colorado)<br /><br />Muito legal o texto, vivo fazendo coisas no automatico e com o maior temor de ter um colapso mental, e tenho tambem aprendido coisas novas sempre, autodidata por natureza. Agora estou mais tranquilo e posso tranquilizar outras pessoas a minha volta, a solucao e a causa do problema sao simples, (talvez eu tenha que me render aos passinhos de dança do ventre de vez em quando...).<br />Parabens pelo texto
Articles View Hits
2781165

We have 291 guests and no members online