Camisetas Rocker

1982/83

Vai parecer incrível mas, as camisetas de rock tão popularmente conhecidas no nosso país foram introduzidas no mercado brasileiro aqui pelo Barbieri.

Eu escolhi o nome Rocker para a marca (logo) das minhas camisetas porque para mim ser Rocker não é apenas ser um roqueiro e sim ser um líder no palco, uma figura carismática, uma lenda. Eu gostava do visual e do som do Marc Bolan (T. Rex) e portanto, escolhi uma foto dele. A foto usada é a da capa do álbum The Slider. Mais tarde, abriria a loja Rocker usando o mesmo logo.

Eu sempre quis ter uma camiseta do Led Zeppelin. Eu era fã de carterinha do Robert Plant e achava o selo da gravadora Swan Song, aquele com um tipo de ícaro (um homem alado), o máximo. Na época eu estava muito envolvido com fotografia e fui fazer um curso na escola Imagem-Ação que existia na Avenida 9 de Julho. Lá aprendi a revelar e ampliar meus próprios filmes. Logo já tinha meu quarto escuro montado. Mais tarde aprendi a ampliar em folhas (filmes) de auto contraste, os chamados fotolitos. A próxima etapa foi aprender serigrafia (silkscreen). As primeiras camisetas que fiz foram: Robert Plant (Led Zeppelin), Janis Jopplin e Jimi Hendrix. Rapidamente já tinha mais de 10 estampas e achei que as lojas de discos e sebos iriam ficar muito interessadas no meu produto. Engano meu! A idéia de vender “roupas” numa loja de discos era inaceitável para aquela época. Fui recebido até com deboche.

Não desisti, comprei um pano preto e, num sábado, estendi o pano na calçada da Avenida São João exatamente em frente das Grandes Galerias, hoje Galeria do Rock. Nem acabei de colocar minhas camisetas no chão e foi o maior tumulto, vendi as 50 camisetas que tinha em 10 minutos. Não existia absolutamente ninguém para concorrer comigo. Minhas estampas eram feitas com fotolitos baseados em fotos tiradas de revistas importadas ou de capas de discos. Eu usava só tinta de qualidade e camisetas Hering. É lógico que na próxima semana eu estava lá e o público cada vez maior. No começo eu reinvestia todo dinheiro ganho em mais material e logo já tinha mais de 100 estampas.

Algumas lojas perceberam imediatamente o potencial ainda mais porque, eu deixava as camisetas em consignação com os lojistas. As lojas Woodstock, Punk Rock discos e Devil Discos foram os meus primeiros clientes. O dinheiro entrava rápido mas eu gastava tudo em “pizza” e discos sem nunca pensar realmente no futuro. A minha alegria e orgulho era ver todo mundo nas ruas usando minhas camisetas.

Foi vendendo camisetas na Avenida São João que acabei fazendo amizade com Paulo Rossi que mais para frente viria ser o vocalista da banda Avenger, banda que acabei sendo o empresário.

As primeiras camisetas de rock nacional que eu fiz foram obviamente para o Avenger e também para as bandas punk Cólera e Inocentes para serem vendidas na loja Punk Rock Discos. Na subsolo da Galeria do Rock eu supria as lojas dos "blacks" com camisetas do Bob Marley, James Brown, Michael Jackson e Jimi Hendrix. Eu tinha também meu preço para o atacado e tinha vendedores espalhados por várias cidades do interior de São Paulo, principalmente no ABC.

O show do Queen

A minha boa sorte praticamente mudou do dia para a noite com o show do Queen no Brasil. Quando cheguei na frente do estádio centenas de pessoas estavam vendendo camisetas. Vendiam quase pela metade do preço. Tecido de baixa qualidade, camisetas feitas em algum galpão da periferia. O tipo de camiseta que você lava uma vez e já era. O pior é que o design era muitas vezes igualzinho ao meu. O povo devia ter comprado uma camiseta minha colocado um papel vegetal encima e copiado. Minhas camisetas apresentavam imagens reticuladas e as dos concorrentes imagens modelo borrão! O povo não estava nem aí...

Outro fator negativo que aconteceu neste período foi o surgimento das camisetas pretas. Para imprimir num tecido preto a tela tem que ser em negativo. Portanto eu teria que fazer todas as minhas telas novamente. Eu fui me adaptando e mudando mas a concorrência era grande e eu já não tinha o mesmo entusiasmo.

John Lennon

Eu recordo-me que um dia logo de manhã o telefone tocou para me avisarem para ligar o rádio. As rádios não paravam de tocar John Lennon, pois ele acabara de falecer. Fiquei chocado e ao mesmo tempo imediatamente comecei estampar camisetas dele, pois eu já tinha a estampa à algum tempo. Aquela noite eu passei estampado camisetas. Sozinho, embriagado pelo sono, fazendo o rosto do John Lennon aparecer numa camiseta atrás da outra, senti-me mal, culpado, era uma coisa contraditória ganhar dinheiro com a morte de uma pessoa que eu admirava tanto. Era uma contradição muito grande mas, vergonhosamente o dinheiro falou mais forte e acabei vendendo umas 1000 camisetas naquela semana. Eu sei o que vocês estão pensando: Direitos autorais era uma palavra quase desconhecida nesta época. De qualquer forma, se eu morrer amanhã vocês podem vender quantas camisetas quiseram com a minha cara estampada! :-)

O show do Van Halen

Outro momento que guardo na lembrança foi na frente do Ginásio do Ibirapuera antes do show do Van Halen. Eu já sabia da fama do empresário do Led Zeppelin que tinha o habito de ir lá fora do teatro, destruir as coisas e bater em qualquer um que estivesse vendendo “merchandise” ilegal. Portanto, quando vi os Norte Americanos cabeludos do pessoal da produção do Van Halen vindo na minha direção, engoli seco. No final de tudo, fiquei surpreendido que a banda tenha instruído a produção à ir lá fora e “comprar” uma camiseta de cada vendedor para levar como souvenir.


Barbieri em Julho 1983 usando a camiseta da Mountain Productions Concert Staging
Pagaram em dolar. Achei demais, os caras ganharam um ponto comigo... nada de mesquinharia.

Já dentro do Ginásio depois do show, que aliás foi memorável e com a abertura da legendária Patrulha do Espaço, enquanto o povo se retirava, fui ficar no gargarejo, na beira do palco para ver o equipamento e os roads em ação. Um deles me viu, desceu até onde eu estava e fazendo mímica apontou para a camiseta do Van Halen que eu estava vestindo e já foi tirando a dele para a troca.


Não pensei duas vezes! A camiseta preta dele era da empresa que trabalhava chamada Mountain Productions Concert Staging (clique aqui). Usei-a por muito tempo...
Por A. C. Barbieri
Uma singela homenagem ao eterno Jimi Hendrix. Foto: Ken Marcus. Animação: Barbieri

 

Comments (6)

Me lembro muito bem da Rocker (trabalhei lá), realmente foi um tempo de sonho e<br />grande luta que transformou cada um de nós. Cara vc venceu parabéns...<br /><br /><br />Barbieri comenta: Grande lido que ótimo saber de você! Não vamos mais...

Me lembro muito bem da Rocker (trabalhei lá), realmente foi um tempo de sonho e<br />grande luta que transformou cada um de nós. Cara vc venceu parabéns...<br /><br /><br />Barbieri comenta: Grande lido que ótimo saber de você! Não vamos mais perder o contato! Para quem não sabe, o Lido foi um grande parceiro, amigão que esteve envolvido intensamente em alguns dos meus projetos. Sempre trabalhou por amor à coisa e não por dinheiro. Nunca ganhamos nada mas tivemos experiências memoráveis. Com ele formamos a banda Attack. Ele foi o baterista e eu fui o vocalista. Nos apresentamos umas 4 vezes no nosso próprio espaço chamado Raimbow São Paulo. Mais tarde eu dei autorização para que o Roberto Cruz (Chave do Sol, The Key), agora vivendo em USA, usasse o nome na criação do Bar Raimbow onde tocaram centenas e centenas de bandas.

Read More
 

por acaso vc não tem camiseta do made in brasil ?

 

Olá Barbieri,<br />Começei a visitar seu site a partir da Radio Rock Fly, estacionada no Pirata do Rock. Fiquei emocionado com o seu trabalho e suas histórias. Você seguramente representa a cabeça e coração de uma geração que tem no rock como...

Olá Barbieri,<br />Começei a visitar seu site a partir da Radio Rock Fly, estacionada no Pirata do Rock. Fiquei emocionado com o seu trabalho e suas histórias. Você seguramente representa a cabeça e coração de uma geração que tem no rock como principal referência cultural. Grande abraço, Herminio

Read More
 

Barbieri, não sei se entendi bem, mas, vc tem camisetas para vender?<br />Aguardo<br /><br />Barbieri Responde: Oi Sandro. À muito tempo que não estampo camisetas! Esta matéria, como muitas outras postadas aqui, são apenas memórias dos meus bons...

Barbieri, não sei se entendi bem, mas, vc tem camisetas para vender?<br />Aguardo<br /><br />Barbieri Responde: Oi Sandro. À muito tempo que não estampo camisetas! Esta matéria, como muitas outras postadas aqui, são apenas memórias dos meus bons tempos que se foram!

Read More
 

Celso, <br />Tudo Bem, Velho....<br />Visite nosso site, camiseta comics, nossa marca que está fazendo a diferença nesta terra chamada Brazilis.<br />Nosso site: http://www.lojacomics.com.br/camisetas-galeria-do-rock.html<;br />Nosso Blog:

Read More
 
  1. Marco Antonio Mallag

It is only rock and roll and I love it.

 
There are no comments posted here yet

Leave your comments

Posting comment as a guest.
Attachments (0 / 3)
Share Your Location
Type the text presented in the image below

Comentários

Anderson Freitas posted a comment in Monterey Pop Festival (1967): Contado por quem esteve lá!
Saudações! Eu sempre acesso esse site para ler essa história. Fique muito triste agora. O senhor Stan Delk faleceu em 2016.<br />https://www.findagrave.com/memorial/171638689<br /><br />Descanse em Paz!<br /><br />Barbieri Comenta: Ele foi muito gentil comigo, disponibilizou o seu texto e acreditou nas minhas boas intenções! Quanto a matéria ficou pronta ele ficou muito satisfeito! R. I. P.
Neuza Maria posted a comment in Tony Osanah: Um argentino bem brasileiro
Muito interessante essa matéria sobre o Tony Osanah. Sou amiga pessoal dele há mais de 30 anos e hoje relembrei muitas coisas sobre ele, que já havia me esquecido. Grande talento! Ele está em visita no Brasil, esteve em Peruíbe até o dia 24 de janeiro e deverá retornar para a Alemanha no dia 07 de fevereiro. Pena que não programou nenhuma apresentação por aqui.
Daniel Faria posted a comment in JAJI: Homenagem postuma!
Tive o grande prazer de trabalhar com Jaji na decada de 1990. As festas no apartamento dele eram legendárias. Só fiquei sabendo da morte dele em 2017 e fiquei bem triste. Ele faz falta e será sempre honrado pelo público Metal de São Paulo.
Olá Barbieri! Que legal esse artigo, é sempre maravilhoso poder "beber" de fonte sábia. Neste sábado, 13/01/2018, teremos a chance de conferir o ensaio aberto da Volkana no Espaço Som, em São Paulo. A boa notícia é que, a exemplo do Vodu, que voltou à ativa em 2015, as meninas também decidiram se reunir, esperamos ansiosos que depois desse ensaio aberto role outros shows por ai. Um grande abraço!
Já sofremos muito também tentando fazer festivais. Mas resolvemos nos dedicar ao rock nacional de outras formas. Lançamos nosso primeiro disco https://base.mus.br que é para mostrar nosso amor pelo rock brasileiro.
André Luiz Daemon posted a comment in Luiz Lennon (Beatles Cavern Club)
Olá, boa noite! Alguém poderia me dizer o nome da música de abertura do programa Cavern Club que foi ao ar após o falecimento do saudoso e inesquecível Big Boy.<br />Logo após o seu falecimento, outro locutor entrou em seu lugar, e a abertura do programa era com o ex-Beatle Ringo Starr cantando.<br />Se alguém souber, por favor, me mande por e-mail, procuro essa música há muitos anos e signiifca muito para mim.<br />Valeu, abraços aos Beatlemaníacos que nem eu!!
José Carlos posted a comment in Tony Osanah: Um argentino bem brasileiro
Confirma pra mim, eu ouvi falar que o vocal da música Graffitti do Paris Group e de Tony Osanah, e que na realidade a banda nunca existiu. Foi um jingle produzido exclusivamente para a propaganda da calça Lewis e devido ao sucesso na televisão foi forjada uma banda para gravar um compacto e faturar uma grana em cima. É verdade?<br /><br />Oi José Carlos, sinto muito mas não tenho como confirmar esta história, entretanto, sei que nos anos 60 e 70 várias bandas brasilerias gravaram faixas em inglês usando nomes fictícios. Quer dizer, não será surpresa se for verdade!
Em se tratando de ROCK, é sem dúvida A Melhor Banda de ROCK até hoje.Acho o som deles o máximo. Conheci a pouco tempo (2010) e ouço desde então... Muito feras
jeronimo posted a comment in Delpht - Far Beyond (CDR Demo - 1997)
você podia disponibilizar essa demo para download pois ela não se encontra a venda
Parabéns Barbieri!!! ficou perfeito, muito original e harmônico, com o peso certo. Muito gostoso ouvir seu som.
CK posted a comment in Carioca & Devas
Ei! Obrigado por este artigo, ótima história e histórias.<br /><br />Hey! Thank you for this article, great history and stories. <br /><br />Thanks again!<br /><br />CK
Eu tinha 14 para15 anos em 1966 quando estava com outros amigos mais velhos e todos cabeludos na Av.Sao Luiz quando começaram a jogar pedras e saímos correndo pela. 7 de abril descemos a 24 de maio queriam nos matar uma multidão eu entrei no Mappin até chegar a polícia para nós tirar de lá.
De acordo com um set list desse show que achei na minha coleção, as músicas tocadas foram Maria Angélica, Perfume, British, Variações, Dissipações, Súplicas, Boca e Vade Retro.
Muito legal ver isso. Estive em muitos shows aqui relatados. O festival com o Dorsal, Vulcano em Santos, teve uma cena memorável quando o vocalista do Crânio Metálico, da Bahia, entendeu que as pessoas gritavam "côco metálico" para a banda e nao o nome coorreto. Ele se indignou com a falta de respeito e chamou as pessoas as briga. Muitos se solidarizaram com o vocalista da banda e o aplaudiram, repugnando o preconceito. Me lembro ainda que nesse show jogaram confete na apresentação do Vulcano e depois a serragem. Era tempo de ascenção do Death Metal e que muitos ridicularizavam o Black Metal... Cena triste também... Mas foi uma noite ótima. Vulcano mandou bem e Dorsal fez um show primoroso.
Charles Campos posted a comment in Soul of Honor
https://www.youtube.com/watch?v=Sn2ckIF0Gbk
Charles Campos posted a comment in Soul of Honor
Boas recordações de minha adolescência!!!<br />Assisti a uma apresentação do <br />Bodas de Sangue no Espaço Retrô (Senão estiver enganado)<br /><br />Foi uma baita apresentação!!!
CASSIO VIEIRA posted a comment in Carioca & Devas
Pessoal, alguém saberia me dizer se neste 'Ensaio (1977)' é o Tom (acho que o sobrenome dele é De Maia ou algo assim) que está tocando bateria? Ele morava no meu bairro, e o pai dele era dono da escola em que eu estudava, Colégio 7 de Setembro.
"Suspeitei desde o principio..." (Chapolin Colorado)<br /><br />Muito legal o texto, vivo fazendo coisas no automatico e com o maior temor de ter um colapso mental, e tenho tambem aprendido coisas novas sempre, autodidata por natureza. Agora estou mais tranquilo e posso tranquilizar outras pessoas a minha volta, a solucao e a causa do problema sao simples, (talvez eu tenha que me render aos passinhos de dança do ventre de vez em quando...).<br />Parabens pelo texto
Articles View Hits
2508014

We have 197 guests and no members online