Divagações holísticas sobre arte e ciência



sincronicidade3
Divagações holísticas sobre arte e ciência

Por Antonio Celso Barbieri

Introdução
Por toda minha existência, venho colecionando ideias e conceitos e, usando estas ideias e conceitos para tentar entender a realidade à minha volta. Sempre procurei analisar e filtrar toda informação que me chega, buscando ler até nas entrelinhas da minha própria razão, questionando tudo e eu mesmo, buscando sempre alguma mensagem, algum código que sintetize e explique “o porque” de tudo, porque as coisas são do jeito que são.

Adquirir conhecimento, acredito, é o único desafio válido de ser perseguido durante nossa curta existência por este planeta. Aprender sempre, este é o objetivo máximo que me guia.

Sinto que quanto mais sábio, mais consciente da minha própria ignorância fico. Então, é com grande senso de humildade e respeito que tomo a liberdade de compartilhar com o caro leitor algumas das minhas descobertas batendo cabeça por esta curta e frágil existência por este planeta.

Vocês perceberão que pularei de um assunto à outro e, até parecerá que estou meio louco mas, tenham paciência e continuem comigo pois descobrirão que o uso no título desta matéria da palavra “holística” não foi em vão.

music


Música
Não sei se é genético ou não mas, sempre fui atraído por música.

Infelizmente, por mais que tenha me dedicado, aprender música nunca foi uma tarefa natural e que pudesse ser assimilada com facilidade. Sinto-me como um “daltônico” musical. Não consigo saber se uma nota está subindo ou descendo em relação à outra. Não consigo nem assobiar uma música depois de ouvi-la. Minha memória musical é zero. Lamento que muitos professores de música nunca tenham levado à sério este problema. Quantas vezes insistiram que a solução era simples, só fazer um curso de sensibilização musical! No meu caso foi só frustração e tempo perdido!

Matemática sempre foi meu outro grande desafio. Apesar do meu interesse, só consegui acompanhar até um certo ponto. Depois disto a coisa vira um labirinto, fico perdido e não consigo mais seguir mentalmente.

Acredito que, justamente por ser um grande desafio, é que sou muito interessado em música, matemática e ciência.
 
representacao_grafica_da_onda

Música e Ciência
Música e Ciência caminham de mãos dadas. As duas usam para descrevê-la, a mesma linguagem, aceita no mundo todo, independente de raça ou religião. Convém esclarecer que, no caso da música, além da notação musical, matemática é, de forma invisível, usada o tempo todo na definição das relações entre os tons das notas musicais.

O som é gerado pelo deslocamento do ar. Se este deslocamento de ar for repetido várias vezes por segundo gerará um tom contínuo. Usando um osciloscópio podemos medir a frequência e ver a representação da onda gerada por uma nota em particular que, como disse, é um deslocamento do ar repetido várias vezes por segundo gerando um tom contínuo. Por exemplo a nota C (Dó) média tem uma frequência de 262 Hz. Quero dizer, esta nota vibra, (oscila ou repete) 262 vezes por segundo. São 262 pulsos de deslocamento de ar separados que, nosso cérebro entende como sendo um som contínuo. Curiosamente a lâmpada que ilumina a sua sala neste momento está oscilando 60 vezes por segundo (60 Hz). Ela pisca tão rápido que não conseguimos perceber. Aqui em Londres ela pisca 50 vezes por segundo (50 Hz).

modernism

Modernismo e Pós-modernismo

Podemos dizer que em termos de “infraestrutura”, na arte, o Modernismo começou por volta de 1890 com seu pique acontecendo nos primeiros 20 anos do século que se seguiu (1900). Este foi um tempo em que a humanidade experimentou gigantescas inovações tecnológicas.

Abaixo segue uma lista mostrando a segunda onda da Revolução Industrial que tinha começado quase um século antes.

Novas Tecnologias:
• Combustão interna e motores movidos à diesel. Geradores de eletricidade movidos à turbinas a vapor.
• Eletricidade e petróleo como novas fontes de energia.
• O automóvel, o ônibus, o trator e o avião.
• O telefone, a máquina de escrever e o gravador (como as bases do escritório moderno e dos sistemas de controle).
• A produção de materiais sintéticos através da criação das industrias químicas com a fabricação de tintas, fibras e plásticos.
• A nova engenharia de materiais com o desenvolvimento do concreto reforçado, alumínio e ligas de cromo.

Comunicação de Massa e Diversões:
• Publicidade e jornais de circulação em massa (1890s).
• O gramofone (avô do toca-discos em 1877), o cinema (invenção creditada aos irmãos Lumière) e o telégrafo sem fio (inventado por Marconi em 1895, no que tudo indica, usou ideias chupadas do grande Tesla).
• Marconi e sua primeira transmissão de ondas de Rádio em 1901.
• O primeiro cinema chamado Pittsburgh Nickelodeon aberto em 1905.

Ciência:
• A genética é criada (1900s).
• Freud lança a psicanálise.
• Becquerel e o casal Curie (1897-9) descobrem a radioatividade do Urânio e Rádio.
• Rutherford derruba a física clássica do período com a criação de um modelo novo e revolucionário do átomo.
• Max Planck revela sua Teoria Quântica de energia (1900) que é revisada por Neils Bohr e Rutherford em 1913.
• Einstein lança a Teoria Especial da Relatividade em 1905 e a Teoria Geral da Relatividade em 1916.


Pensem bem, hoje nos maravilhamos muito com as inovações tecnológicas ao nosso dispor e ficamos até com a sensação de que “o futuro é agora”. Na verdade, a grandiosidade dos descobrimentos e inovações tecnológicas do princípio de 1900 foram, para o povo daquela época, tão brutais que fariam hoje os iPhones e iPads parecerem insignificantes em comparação.


Não fica difícil perceber como estas inovações do começo do século passado logicamente caminharam para desenvolvimentos pós-modernistas.



Moderno e Pós-moderno

A palavra “moderno” deriva do Latim “modo” que significa alguma coisa como “agora mesmo” portanto “pós–moderno” poderia ser entendido como “depois do agora mesmo”. Gostaria de lembrar que, é da natureza do “moderno” estar em conflito com o que veio antes. O “moderno” procura negar-se a si mesmo auto intitulando-se “pós-moderno”. Confuso né?


Bom, deixando esta discussão semântica modernista de lado, como acabei de dizer, estas inovações do começo do século passado, logicamente caminharam para desenvolvimentos pós-modernos culminando neste período com:


1) As fundações da cosmologia pós-moderna que incluem a Teoria Atômica, a Teoria Quântica e a Teoria da Relatividade que foram criadas entre 1890 e 1916.


2) O cabo de cobre telefônico sendo substituído pelo cabo de fibra ótica aumentando 250.000 vezes a capacidade de transmissão de informação possibilitando, por exemplo a transmissão de todo conteúdo da biblioteca Bodleian de Oxford em apenas 42 segundos!

Com esta infraestrutura tecnológica, o Modernismo ocupa, no mesmo período, no começo de 1900, sua primeira fase heroica de experimentação nas áreas da literatura, música, artes visuais e arquitetura.

einstein_and_planck
Albert Einstein e Marx Planck

Einstein e a Teoria Geral da Relatividade
A Teoria da Relatividade ainda hoje reverbera e influência todas as áreas do conhecimento humano. Einstein, entretanto, com sua teoria, colocou a comunidade cientifica num beco sem saída por muitos anos.

Se ele fosse um monge tibetano certamente ele teria solenemente proferido este koan: “A luz é uma partícula e uma onda ao mesmo tempo”.


A verdade é que os cientistas, como monges, meditaram por muitos anos sobre este koan. Vejam bem o dilema, se a luz é uma partícula, então ela tem massa e, se tem massa ela é atraída pela gravidade, pode ser medida e obedece à toda uma série de leis bem conhecidas. Por outro lado, se a luz é uma onda, então ela vibra, oscila numa certa frequência e deve obedecer à uma outra série de leis relativas à uma área cientifica diversa. Aos olhos da ciência, uma coisa não poderia ser, ao mesmo tempo, duas coisas totalmente diferentes!


koan

É interessante notar que no Ocidente, tendemos à separar as coisas nos seus elementos básicos para analisá-los. É como, assim dizer, que o conhecimento caminha da “parte” para o “todo”. Por exemplo, de forma simples, para sabermos se a água de um lago está contaminada, tiramos algumas amostras e levamos as mesmas para serem analisadas. Se aquelas amostras não estiverem contaminadas, então, concluímos que toda água do lado não está contaminada. Então, fomos da “parte(s)” para o “todo”.

Na religião Ocidental acontece uma coisa similar. Todos olhamos em direção à um Deus que está fora de nós em algum lugar distante. Porque toda nossa atenção está voltada para algo fora de nós, nos isolamos e não prestamos atenção à quem está ao nosso lado. As religiões Ocidentais pregam o individualismo. Já no Oriente, Deus está em todos os lugares, residindo dentro das pessoas. Uma pessoa sem Deus cria um desequilíbrio nesta sociedade que prega sempre a harmonia onde o equilíbrio interno e da sociedade em geral é a meta principal. Neste caso o todo é mais importante do que a parte.


Mas, voltando ao desafio colocado por Einstein e sua Teoria Geral da Relatividade, foi a Teoria Quântica quem colocou os pingos nos “is”. Sem aprofundar-me muito e cometer o erro de falar besteira, Marx Planck postulou que quando observávamos a luz, estávamos esquecendo o espaço por onde a luz transitava e, até esquecendo que nós também fazíamos parte desta experiência. Então, segundo Planck, quando a luz atravessava um “campo” ela liberava um “quantum” de energia explicando assim a dualidade partícula/onda. Ele defendia uma visão de todo, uma visão Holística do Universo.


Como nada é simples, Marx Planck também acrescentou o seu próprio Koan.
 Ele disse que no mundo do muito, muito pequeno, no mundo subatômico, não se pode saber exatamente onde encontra-se uma partícula. É impossível saber-se exatamente onde encontra-se por exemplo, o elétron, na sua orbita em torno do próton. Pode-se apenas dizer que “estatisticamente” ele pode estar aqui ou ali, ou em todo lugar ao mesmo tempo.


Einstein não gostou nada porque seu universo físico era “determinista”. Tudo já estava determinado. Einstein num momento de nervos desabafou: “Deus não joga dados!”

Bom, ele teve que comer seu chapéu! Pois Deus não só joga dados como deve ser viciado nisto!

koellreutter_and_schoenberg
Hans-Joachim Koellreutter e Arnold Schoenberg

Hans-Joachim Koellreutter
Lá por volta de 1984 ou 85, consegui entrar escondido, como aluno, num curso de pós-graduação para alunos da PUC em São Paulo. O professor foi nada mais nada menos que o gênio responsável pela introdução da música moderna no Brasil, Hans-Joachim Koellreutter. Ele nos brindou com o serialismo dodecafônico de Arnold Schoenberg e seguiu sua jornada musical direcionando-nos pelos caminhos sempre controversos da música moderna. Nesta sua jornada ele fez adoradores e inimigos nas mesmas proporções. Ele inspirou uma nova geração de músicos que ainda hoje o veneram e continuam levando para frente sua música e seus ensinamentos. Seu falecimento certamente deixou uma lacuna impossível de ser preenchida.


Uma das coisas que me marcaram muito foi que Koellreutter, apesar de ser um gênio vivo, era muito acessível e não carregava aquela atitude pedante que poderia ser esperada. O Barbieri aqui, musicalmente um quase leigo, pode conversar com ele sem nenhum problema. Para ser franco, o difícil foi conseguir espaço e, atravessar a barreira criada pelo grupo de estudantes que o seguiam por todos os lugares em que ele fosse dar palestra. Estes sim, eram um grupo formado na maior parte, por músicos petulantes e pretensiosos.

Neste curso de pós-graduação, no primeiro dia de aula, Koellreutter, para minha surpresa, considerando-se que seu curso era de música, nos indicou dois livros para leitura muito especiais. Um foi o Tao da Física (Tao significa caminho) do escritor Fritjof Capra e o outro o I Ching, O Livro das Mutações traduzido para o inglês pelo escritor Richard Wilhelm com prefácio de Carl Jung. Convém lembrar que, estes dois livros podem ser encontrados traduzidos para o nosso idioma.


O primeiro é uma pérola que compara várias religiões do Oriente com as descobertas da física moderna, mostrando que, os antigos através de suas religiões já tinham o entendimento da realidade (insight) que só agora a física das partículas está descobrindo.

O I Ching, é um tipo de oráculo milenar que responde às perguntas feitas usando moedas. Na verdade, simplesmente medito sobre o que quero saber ou então deixo que o livro decida por mim abrindo o mesmo aleatoriamente. Deixo que a “sincronicidade”, faça seu trabalho...


Sua forma de ver música era algo que podemos dizer holístico e ele não diferenciava de forma elitista nenhum tipo de música. Ele era interessado em todo tipo de música. Tanto de música étnica, especialmente da Índia como também feita por máquinas e instrumentos exóticos. Ele também naturalmente estava interessado em novas formas de partituras e notações assim como novas formas de fazer música.

Para ele, qualquer ser humano poderia fazer música e, na sua frente senti que minhas limitações musicais poderiam ser contornadas facilmente usando outras técnicas e ideias.

Recordo-me de, naquela época, tê-lo visitado na sua residência na Avenida São Luiz em São Paulo. Foi uma visita rapidíssima e não deu nem para um bom bate-papo. Mais tarde assisti uma apresentação sua com sua esposa nos vocais, misturando, ao mesmo tempo, algo lírico e vanguardista. Mais da metade do teatro era composto por alunos dele que tinham sido orientados à levar para o teatro rádios de pilhas e gravadores. Durante a apresentação desta peça num dado momento, Koellreutter que era o maestro virou para a plateia e começou reger uma sinfonia de sons que começou surgir de todas as partes do teatro numa cacofonia sonora. O efeito foi muito interessante mas, nem por isto deixou de gerar a costumeira controvérsia com alguns “puristas”, como protesto, levantando-se e abandonando o teatro.

Sempre fui bem eclético musicalmente e muito interessado nas ideias e processos por de trás do rock e da música eletrônica. Minha busca por sons estranhos ou diferentes vem de longa data. Nesta busca passei por Pink Floyd, Kraftwerk, Jean Michael Jarre, Peter Gabriel, Brian Eno, Laurie Anderson, Nina Hagen, Meredith Monk, etc. No Brasil, Mutantes abriu caminhos praticamente sozinho. Existia também o pessoal da Tropicália que explorou de forma interessante as possibilidades linguísticas mas que musicalmente, se não fosse a participação do maestro Rogério Duprat e da própria banda Mutantes, certamente não teria tido o impacto que teve. Quase como uma exceção, nós também tivemos, o trabalho marcante, criativo e muito interessante de grande Arrigo Barnabé que, à meu ver foi a única coisa realmente nova que surgiu no Brasil nos últimos 50 anos. Até hoje seu álbum Clara Crocodilo me emociona.

Bom, meu nome será sempre associado com o Heavy Metal brasileiro por ter ajudado, juntamente com muito outros, à dar o pontapé inicial ao movimento.


É curioso porque, meus cartazes sempre tiveram um elemento pop na sua criação e, eu ajudei o Heavy Metal mais porque, este movimento aceitou minha ajuda. O pop do período era burguês e pretensioso, o Punk impossível de trabalhar porque destruíam os lugares onde as bandas tocavam e era acompanhado por muita violência, não queria carregar nas costas o sentimento de culpa por ter produzindo um show onde alguém morreu. Na verdade sempre gostei de qualquer música sempre que bem feita. É claro que tenho minhas limitações e assim como sempre achei certos tipos de Jazz chato demais, nunca consegui gostar de bossa-nova por ser uma música que considero sem alma e elitista.

barbieri_and_the_rockAntonio Celso Barbieri
 
Não aprecio também alguns estilos musicais que rodam por este nosso Brasil afora, rítmos que considero de baixo nível e mau gosto.

Viajei de carona muitas vezes e os caminhoneiros sempre tocavam música sertaneja. Apesar de não ouvir em casa, sentia que esta música tinha uma história e era verdadeira da mesma forma que o Blues é. O mesmo posso dizer do samba original. Portanto respeito a música sertaneja e o samba feito pelos veteranos do passado. Entendam que, entre respeitar e ouvir em casa existe uma distância muito grande.

Mas, voltando à holística e, minha busca por uma visão global das coisas vamos dar um pulo até o Cubismo.


picasso_and_cezanne
Plabo Picasso e Paul Cezanne
 
O Big Bang do Picasso
Como foi descrito aqui, o começo do século passado foi marcado por fantásticas descobertas científicas. Mesmo assim, com a descoberta do telefone, telegrafo e muitas outros avanços, uma olhada em 1907 nos faria pensar que esta época estava muito longe da “modernidade”. Nada poderia preparar o povo desta época para a primeira pintura verdadeiramente modernista, a pintura de Picasso intitulada Les Demoiselles d’Avingnon (1907).

les_demoiselles_d_avingnon
Les Demoiselles d’Avingnon pintado por Pablo Picasso

Esta pintura, através de deformidades angulares encabeçadas por mascaras africanas mostram cinco prostitutas e, em realidade expressam o pânico de Picasso com relação à sífilis. Entretanto, o mais importante nesta pintura é que, ela proclama um modelo de anti-representação da (de)form(ação).


A verdade é que, com o surgimento da fotografia, a representação da forma passou por uma crise. A invenção da fotografia tirou a autoridade da pintura para representar a natureza. Pintar a “realidade” de repente, ficou obsoleto.


A inovação da infraestrutura tecnológica passou por cima das tradições artísticas da superestrutura. A produção em massa (fotografia) substituiu a arte feita à mão.
 A crise, na verdade, foi mais profunda do que este simples mas, efetivo cenário sugere. A doutrina do próprio movimento chamado Realismo estava chegando ao seu fim.


O Realismo dependia de uma teoria que espelhasse a realidade. Quer dizer, os objetos que existem fora da mente seriam representados ou reproduzidos por um conceito ou trabalho de arte de forma que o mesmo seja adequado, acurado e verdadeiro, em outras palavras, um espelho da realidade.


Cézanne: A vista contém o observador
Paul Cézanne (1839-1906) não descartou o Realismo mas, incluiu o conceito de “incerteza” nas sua percepção das coisas. A representação deveria levar em consideração a interação entre o observador e o objeto. As variações do ponto de vista e as possibilidades de dúvidas no que se vê. Cézanne tomou uma nova direção bem revolucionária pintando não a realidade mas sim a forma como percebemos a realidade.

the_great_pine
The Great Pine pintado por Paul Cezanne
Kant
Desculpem-me mas, tenho que dar uma pequena pausa aqui para falar de Kant. Muitos filósofos tentaram explicar a realidade social produzindo vários modelos sociais em trabalhos literários de caráter filosófico dando inicio à sociologia. 

Descartes desconfiou dos seus próprios sentidos, reconheceu a sua falibilidade e concluiu que a única certeza que ele tinha era a dúvida. Que, quando ele duvidava ele sabia que estava vivo e nos brindou com a frase Cogito Ergo Sum (Penso, Logo Existo). Com a evolução da biologia alguns pensadores passaram a ver a sociedade como um grande organismo vivo e com a Revolução Industrial outros acharam que os seres humanos nada mais eram que partes da grande máquina social. Os seres humanos deveriam encaixar-se como peças de uma engrenagem no gigantesco relógio social. 

Foi Kant quem virou mesa.

O pensamento de Kant não é fácil de entender mas, vou tentar resumir de forma bem básica sua ideia: Ele disse que estes pensadores estavam perdendo seu tempo tentando interpretar a realidade porque a realidade é intocável. Ninguém consegue tocar na realidade pois ela existe fora de nós. Quando por exemplo olhamos para uma cadeira. Como é que identificamos este objeto como sendo uma cadeira?

kant
Immanuel Kant

Como que, por exemplo, mesmo que esta cadeira tenha apenas um pé, ou três, ou cinco, seja de palha, de madeira, de plástico, de metal, revestida de couro ou não, em infinitos formatos, ainda assim, a reconheçamos como sendo uma cadeira? É porque temos na mente um arquétipo da “mãe” de todas as cadeiras. Este arquétipo é o resultado da “história” da cadeira de cada observador. Quer dizer, quando olhamos uma cadeira não vemos a realidade, vemos apenas a nossa história particular deste objeto. Então, quando o leitor olha para uma cadeira esta cadeira é para ele única porque é a soma de todas as cadeiras que ele viu na sua vida inteira.

Assim é o Universo que nós vemos. Nossa realidade é apenas o fruto da nossa história e cada um de nós tem uma diferente.


De certa forma, acho muito triste reconhecer que somos todos umas ilhas. Já dizia Huxley na introdução do seu livro Entre o Céu e o Inferno, as Fronteiras da Percepção: “Os amantes tentam em vão unir seus êxtases isolados. Os mártires penetram na arena de mãos dadas mas morrem sozinhos.”

Portanto, voltando ao Cézanne, ele tomou uma nova direção bem revolucionária pintando não a realidade mas sim a forma como percebemos a realidade. A verdade é que pintar a realidade da forma que ele percebia era a única forma válida porque como disse, segundo Kant, a realidade é intocável e a única coisa que existe é a história que é feita pelos homens (e mulheres).

O Impressionismo tinha mostrado como as aparências mudavam com a luz e eram afetadas por movimentos rápidos. Mas, isto não era suficiente. Nós não vemos as coisas como fixas mas em constante mudança. Uma arvore muda consideravelmente com uma simples e tênue mudança do angulo de visão.

Cézanne não estava somente interessado em reproduzir uma visão fragmentada e subjetiva da realidade. Ele buscava depois de criar uma fundação básica, uma teoria de campo unificada que obrigatoriamente salientasse a variação da percepção. Para isto, ele passou a usar os elementos geométricos sólidos. Na sua famosa carta de 1904 ele aconselhava: “…represente a natureza usando o cilindro, a esfera e o cone”.


Principio de Incerteza? Uma Teoria de Campo Unificado? Perceberam que Cézanne mais parecia um físico moderno!


O Principio de Incerteza foi descoberto por Werner Heisenberg (1901-1976) e formulado em 1927 como consequência da Mecânica Quântica e em simples termos diz que em medições simultâneas da posição de uma partícula sempre haverá incerteza (trata-se daquele Koan do Marx Planck a que me referi anteriormente!).

Conseguir uma Teoria do Campo Unificado foi o sonho carregado por Albert Einstein por toda a sua vida. Ele buscava demonstrar como todas as forças da natureza derivavam de uma unidade comum, uma única e última lei de ação.

Cézanne não foi um físico e, nem foram seus sucessores e herdeiros os Cubistas. O que nós temos aqui, é um daqueles raros momentos da história em que a ciência e arte chegaram, de uma forma independente, à descobrir as mesmas verdades (Insights).



Bom, por hoje é só! Não deixem de ler minha segunda parte desta matéria chamada Divagações holísticas sobre ciência e sincronicidadeonde onde procuro colocar uma luz no evento chamado Sincronicidade (clique aqui)

Atenção:
Não foi minha intenção esgotar este assunto e nem tenho a pretenção de ser o dono da verdade! Por favor encarem este texto como um tipo de introdução, apenas o topo do iceberg. Adoraria saber o que vocês pensam sobre este assunto. Concordam? Discordam? Querem acrescentar alguma coisa? Desde já abro este espaço para os leitores contribuirem com suas idéias!

Antonio Celso Barbieri

wave

Comments (0)

There are no comments posted here yet

Leave your comments

Posting comment as a guest.
Attachments (0 / 3)
Share Your Location
Type the text presented in the image below

Comentários

Anderson Freitas posted a comment in Monterey Pop Festival (1967): Contado por quem esteve lá!
Saudações! Eu sempre acesso esse site para ler essa história. Fique muito triste agora. O senhor Stan Delk faleceu em 2016.<br />https://www.findagrave.com/memorial/171638689<br /><br />Descanse em Paz!<br /><br />Barbieri Comenta: Ele foi muito gentil comigo, disponibilizou o seu texto e acreditou nas minhas boas intenções! Quanto a matéria ficou pronta ele ficou muito satisfeito! R. I. P.
Neuza Maria posted a comment in Tony Osanah: Um argentino bem brasileiro
Muito interessante essa matéria sobre o Tony Osanah. Sou amiga pessoal dele há mais de 30 anos e hoje relembrei muitas coisas sobre ele, que já havia me esquecido. Grande talento! Ele está em visita no Brasil, esteve em Peruíbe até o dia 24 de janeiro e deverá retornar para a Alemanha no dia 07 de fevereiro. Pena que não programou nenhuma apresentação por aqui.
Daniel Faria posted a comment in JAJI: Homenagem postuma!
Tive o grande prazer de trabalhar com Jaji na decada de 1990. As festas no apartamento dele eram legendárias. Só fiquei sabendo da morte dele em 2017 e fiquei bem triste. Ele faz falta e será sempre honrado pelo público Metal de São Paulo.
Olá Barbieri! Que legal esse artigo, é sempre maravilhoso poder "beber" de fonte sábia. Neste sábado, 13/01/2018, teremos a chance de conferir o ensaio aberto da Volkana no Espaço Som, em São Paulo. A boa notícia é que, a exemplo do Vodu, que voltou à ativa em 2015, as meninas também decidiram se reunir, esperamos ansiosos que depois desse ensaio aberto role outros shows por ai. Um grande abraço!
Já sofremos muito também tentando fazer festivais. Mas resolvemos nos dedicar ao rock nacional de outras formas. Lançamos nosso primeiro disco https://base.mus.br que é para mostrar nosso amor pelo rock brasileiro.
André Luiz Daemon posted a comment in Luiz Lennon (Beatles Cavern Club)
Olá, boa noite! Alguém poderia me dizer o nome da música de abertura do programa Cavern Club que foi ao ar após o falecimento do saudoso e inesquecível Big Boy.<br />Logo após o seu falecimento, outro locutor entrou em seu lugar, e a abertura do programa era com o ex-Beatle Ringo Starr cantando.<br />Se alguém souber, por favor, me mande por e-mail, procuro essa música há muitos anos e signiifca muito para mim.<br />Valeu, abraços aos Beatlemaníacos que nem eu!!
José Carlos posted a comment in Tony Osanah: Um argentino bem brasileiro
Confirma pra mim, eu ouvi falar que o vocal da música Graffitti do Paris Group e de Tony Osanah, e que na realidade a banda nunca existiu. Foi um jingle produzido exclusivamente para a propaganda da calça Lewis e devido ao sucesso na televisão foi forjada uma banda para gravar um compacto e faturar uma grana em cima. É verdade?<br /><br />Oi José Carlos, sinto muito mas não tenho como confirmar esta história, entretanto, sei que nos anos 60 e 70 várias bandas brasilerias gravaram faixas em inglês usando nomes fictícios. Quer dizer, não será surpresa se for verdade!
Em se tratando de ROCK, é sem dúvida A Melhor Banda de ROCK até hoje.Acho o som deles o máximo. Conheci a pouco tempo (2010) e ouço desde então... Muito feras
jeronimo posted a comment in Delpht - Far Beyond (CDR Demo - 1997)
você podia disponibilizar essa demo para download pois ela não se encontra a venda
Parabéns Barbieri!!! ficou perfeito, muito original e harmônico, com o peso certo. Muito gostoso ouvir seu som.
CK posted a comment in Carioca & Devas
Ei! Obrigado por este artigo, ótima história e histórias.<br /><br />Hey! Thank you for this article, great history and stories. <br /><br />Thanks again!<br /><br />CK
Eu tinha 14 para15 anos em 1966 quando estava com outros amigos mais velhos e todos cabeludos na Av.Sao Luiz quando começaram a jogar pedras e saímos correndo pela. 7 de abril descemos a 24 de maio queriam nos matar uma multidão eu entrei no Mappin até chegar a polícia para nós tirar de lá.
De acordo com um set list desse show que achei na minha coleção, as músicas tocadas foram Maria Angélica, Perfume, British, Variações, Dissipações, Súplicas, Boca e Vade Retro.
Muito legal ver isso. Estive em muitos shows aqui relatados. O festival com o Dorsal, Vulcano em Santos, teve uma cena memorável quando o vocalista do Crânio Metálico, da Bahia, entendeu que as pessoas gritavam "côco metálico" para a banda e nao o nome coorreto. Ele se indignou com a falta de respeito e chamou as pessoas as briga. Muitos se solidarizaram com o vocalista da banda e o aplaudiram, repugnando o preconceito. Me lembro ainda que nesse show jogaram confete na apresentação do Vulcano e depois a serragem. Era tempo de ascenção do Death Metal e que muitos ridicularizavam o Black Metal... Cena triste também... Mas foi uma noite ótima. Vulcano mandou bem e Dorsal fez um show primoroso.
Charles Campos posted a comment in Soul of Honor
https://www.youtube.com/watch?v=Sn2ckIF0Gbk
Charles Campos posted a comment in Soul of Honor
Boas recordações de minha adolescência!!!<br />Assisti a uma apresentação do <br />Bodas de Sangue no Espaço Retrô (Senão estiver enganado)<br /><br />Foi uma baita apresentação!!!
CASSIO VIEIRA posted a comment in Carioca & Devas
Pessoal, alguém saberia me dizer se neste 'Ensaio (1977)' é o Tom (acho que o sobrenome dele é De Maia ou algo assim) que está tocando bateria? Ele morava no meu bairro, e o pai dele era dono da escola em que eu estudava, Colégio 7 de Setembro.
"Suspeitei desde o principio..." (Chapolin Colorado)<br /><br />Muito legal o texto, vivo fazendo coisas no automatico e com o maior temor de ter um colapso mental, e tenho tambem aprendido coisas novas sempre, autodidata por natureza. Agora estou mais tranquilo e posso tranquilizar outras pessoas a minha volta, a solucao e a causa do problema sao simples, (talvez eu tenha que me render aos passinhos de dança do ventre de vez em quando...).<br />Parabens pelo texto
Articles View Hits
2823079

We have 212 guests and no members online