Barbieri Music

Star InactiveStar InactiveStar InactiveStar InactiveStar Inactive
 

Barbieri toca piano dentro do Abbey Road Studios!‬‪

Caros leitores, esta história certamente representa um dos momentos mais importantes da minha vida. Trata-se de uma daquelas situações em que você quer beliscar-se para ter certeza de que você está acordado. Coisa para colocar num livro ou filme!‬

barbieri_control_roomBarbieri na Sala de Controle do Studio II

Barbieri, Deep Purple, Beatles e Kathy Bryan‬

‪Eu já tinha visitado o Abbey Road Studios anteriormente, foi no dia 19 de Agosto de 2002 quando fui para cobrir o lançamento do DVD vídeo do Deep Purple chamado "Concerto para Grupo e Orquestra" cujo show aconteceu em 1969 mas só agora seria lançado ao grande público. No dia tive a honra trocar umas poucas palavras com o grande (em todos os sentidos) John Lord, o tecladista e compositor responsável por este lançamento. ‬

‪No dia do evento já dentro do Abbey Road, depois de cumprir minha tarefa, emocionado, fiquei apreciando as capas dos álbuns ali gravados, capas estas, emolduradas e fixadas nas paredes do corredor central do lugar. ‬

‪Dois álbuns, em particular, deixaram-me completamente sem fala. Um, o álbum Imagine do John Lennon e o outro Dark Side of the Moon da banda Pink Floyd. ‬

‪Fiquei, ali parado, olhando para aquelas capas, imaginando aqueles músicos andando por aqueles corredores e, ao mesmo tempo, revivendo mentalmente minha própria história. História esta que foi mixada usando, em parte, aqueles álbuns como trilha sonora. Depois de alguns minutos, fui puxado para a Terra novamente pois, percebi que uma mulher estava vindo na minha direção. À princípio, pensei que ela também fosse uma jornalista.‬

“Desculpe-me mas, que revista você representa?” Ela falava em inglês e trazia um sorriso respeitoso na face.

‬‪“Eu trabalho para a Revista Dynamite de São Paulo, Brasil.” Respondi ao mesmo tempo que perguntei quem era ela.

“Meu nome é Kathy Bryan sou engenheira de som aqui no estúdio, fui destacada hoje, para assessorar os repórteres e assim procurar esclarecer todas as dúvidas que vocês possam ter.” Foi sua resposta.‬

“Desculpe-me, não pense que sou machista mas, uma mulher engenheira de som é uma coisa bem incomum, como foi que você conseguiu esta proeza?” Perguntei.

“Não acho sua pergunta incomum porque, sou da Nova Zelândia e, sou a única mulher engenheira de som daquele país. Música sempre fez parte da minha vida, sempre gostei de operar mesas de som. Vai parecer mentira mas, quando vim para Londres, vim aqui no Abbey Road Studios, atravessei a rua, entrei no estúdio, fui na recepção e disse que queria trabalhar aqui. Então, chamaram o chefe dos engenheiros e ele levou-me para um estúdio e testou-me pedindo que passasse um sinal pela mesa e aplicasse uns efeitos. Eu fiz e ele me disse que poderia começar trabalhar imediatamente.” Ela falava com um sorriso, passando aquela experiência que só mesmo o tempo é que é capaz de dar.‬

kathy_bryan
Kathy Bryan

“Incrível!” Foi minha resposta, ao mesmo tempo que perguntei:‬

‪“Vamos esquecer o Deep Purple por enquanto, vamos falar dos Beatles, onde foi que eles gravaram?”‬

‪“Há! Você quer conhecer o Studio II?” Foi sua pergunta, já sabendo de antemão qual seria a minha resposta.‬

‪“Claro que quero!” Respondi imediatamente.

‪Continuamos andando por aquele corredor ao mesmo tempo que ela explicava que apesar do estúdio estar vazio ele estava sendo usado, continha equipamento dos músicos e portanto ela só iria abrir a porta para deixar que eu desse uma espiadela rápida.‬

‪Ela abriu a porta, estava escuro lá dentro e não deu para ver quase nada. Foi uma coisa meio sem graça, um tipo de anti-climax.

‪De qualquer forma, tanta atenção por parte da Kathy merecia também uma atenção especial de minha parte:‬

‪“Fale-me um pouco de você. O que você faz aqui? Mostre-me sua área de trabalho!” Perguntei.‬

‪“Faço rematerização e "DVD Encoding", recupero material sonoro de qualquer meio, na minha sala tem todo tipo de gravador antigo e moderno, toca-discos, toca cartucho, etc.”‬

‪Ela abriu uma porta e pude ver uma infinidade de gravadores de rolo multi-pistas de vários tamanhos para fitas de várias larguras. No centro da sala o monitor do computador estava ligado e, de cara, pude tirar duas informações importantes. Ela usava computadores Mac e o software que ela estava usando naquele momento era um editor de áudio chamado Peak. Há, já me senti em casa porque uso Mac e o Peak conheço como a palma da minha mão.‬

The Living Clocks‬

‪No final de 2001 tinha lançado um CD do meu projeto chamado The Living Clocks, cujo álbum chamou-se Flowers of Evil (As Flores do mal) baseado nos poemas de Charles Baudelaire (1821-1867). Trata-se de poesia e música, um tipo de releitura destes poemas pesados e obscuros. Tem gente que acha que o som é até um pouco gótico. Neste CD eu toco todos os instrumentos, uso samples, os poemas são interpretados na língua inglesa e a voz é do brasileiro Zadoque Lopes.  ‬

‪Tirei da minha bolsa um CD que carregava comigo e, entreguei-o como um presente para Kathy, explicando que tratava-se de uma oferenda bem humilde, gravada literalmente na sala de minha casa. ‬

‪“Que mesa de som você usou?” Foi sua pergunta, enquanto, para minha surpresa, ela já foi tirando o plástico protetor da caixinha do CD e colocando o mesmo para tocar. Minha experiência mostra que este povo geralmente recebe tanto material que não tem tempo ou curiosidade nenhuma... daí a minha surpresa.‬

‪“Eu usei uma mesa Studio Master. Quando comprei este equipamento, queria comprar uma mesa de som inglesa e também buscava uma mesa que fosse multi-voltagem para, eventualmente, poder levar para o Brasil.” Foi minha resposta ao mesmo tempo que ouvia o som do meu CD saindo daquelas imensas caixas acústicas de alta qualidade, obviamente equipamento longe do alcance financeiro de nós pobres mortais. Naquele equipamento, ficava claro que, a qualidade da minha gravação não devia nada à ninguém. ‬

‪“A sua mesa é aquela preta, cujos botões para cancelar a equalização são invertidos, você tem que apertar o botão para desligar!” (Concordei com um aceno de cabeça) “Tenho uma destas. Adoro o som quente dela.” Foi sua resposta cheia de vida. Mantida as devidas proporções, até parecia que estamos falado de igual para igual! Foi como se ela tivesse elogiado a minha aparência! Ganhei o dia!‬

‪Estava claro que ela “ouvia” meu CD de forma diferente. Pouco importava o conteúdo ou estilo musical. Ela estava “ouvindo” o mix, o uso dos efeitos, a compressão, a limpeza do som, as freqüências altas e também as baixas, tudo do ponto de vista do engenheiro. ‬

‪“Esta muito bom!” foi seu veredicto! Ela parecia bem professional e sincera. ‬Meu trabalho musical sendo tocado e elogiado dentro do Abbey Road Studios! Emocionado, disfarçadamente enxuguei uma lágrima que apareceu no canto de um dos olhos... Dediquei grande parte da minha vida a ajudar mostrar o trabalho musical dos outros e só agora, depois de tantos anos, tive as condições econômicas e o tempo para poder dar vazão às minhas próprias ambições artisticas.... A emoção foi muito grande e não existem palavras suficientes para descreve-las aqui....

abbey_road_studios_frontA entrada do Abbey Road Studios numa colagem do Barbieri.

‪Barbieri, Marco Antonio Mallagoli e o Revolution Fan Club‬

‪Já conhecia Marco Antonio de longas datas, deste a segunda metade dos anos 70. Fui eu quem fiz a primeira camiseta tanto do fã clube dele, o Revolution, como também a primeira camiseta do Beatles Cavern Club do Luiz Antonio da Silva.  Nos tempos em que estampei camisetas de rock, deixava minhas camisetas no Revolution. Vendi lá milhares!‬

‪Recentemente, Marco Antonio esteve novamente em Londres. Na verdade, ele já veio aqui na Inglaterra dezenas e dezenas de vezes. Quando vem fica sempre indo de Londres para Liverpool e vice-versa. Marco Antonio exala Beatles por todos os poros. Ele é possivelmente a maior autoridade em Beatles no Brasil.‬

‪Nesta visita, Marco Antonio comprou um laptop Mac. Como eu sou um especialista em Macs ele veio aqui em casa tomar umas aulas e informar-se à respeito de que tipo de programa de áudio instalar no seu computador.‬

‪Conversa vai conversa vem, ele me diz que estaria gravando, dia 3 de agosto, das 10 da manhã às 10 da noite, no Studio II que é, como já disse acima,  uma das salas de gravação do Abbey Road Studios. Para quem ainda não sabe, 90% de tudo que Os Beatles gravavam foram gravados no Abbey Road. ‬

‪Eu sei que, a conversa foi progredindo e culminou com um convite para dar uma passadinha no lendário estúdio. ‬

‪Para ironia do destino e minha grande tristeza, justamente no dia 3 de agosto, uma quarta feira, era a data do meu internamento no Royal London Hospital para fazer uma Tomografia Computadorizada.  ‬

barbieri_heavy_metal_no_hospitalBarbieri, no hospital, depois da visita ao Abbey Road Studios, ainda em espírito de festa! Heavy Metal!!!

Barbieri tem dois Aneurismas‬

‪Como resultado de uma infecção estomacal que resultou em uma semana de internação, tive que fazer um Ultrasom do estômago. Para minha surpresa, o Ultrasom revelou que eu tenho um Aneurisma da veia Aorta. Um aneurisma acontece quando uma veia estufa como se fosse uma bexiga e dependendo do diâmetro da mesma, pode romper. Um Aneurisma da Aorta se romper, estatisticamente, a possibilidade de morte é quase certa. O diâmetro do meu aneurisma é de 4.8 centímetros de largura. Infelizmente, depois do Ultrasom, uma primeira Tomografia, revelou outro Aneurisma, mais abaixo quando a aorta bifurca-se para levar o sangue para as pernas. Então, logo depois desta bifurcação começa as veias Ilíacas (direita e esquerda). A veia Ilíaca direita tem um Aneurisma com diâmetro de 3.7 centímetros. Mais que 3 centímetros de diâmetro na veia Ilíaca já é caso para cirurgia.‬

‪Mas voltando ao Abbey Road, ser convidado para visitar este estúdio seminal e não poder porque os médicos querem que você fique internado para dar uma hidratada e trato no seu rim antes da Tomografia, não me levem à mal, mas é sacanagem do destino! Fiquei muito chateado!‬

‪Naquela quarta-feira, de manhã, liguei para o Hospital. Aqui, em Londres, no dia da internação você liga de manhã para o Hospital e assim que uma cama fica vaga, o Departamento de Internações te liga de volta dando o OK e pedindo você pode vir para o hospital imediatamente.‬

‪Não tive outra opção, senão ficar de plantão esperando a chamada.  Quando foi lá pela 1 da tarde o hospital ligou dizendo que uma cama iria vagar só lá pelas 6 da noite.‬

barbieri_in_front_abbey_roadBarbieri a ponto de realizar um garnde sonho!

‪Imediatamente, peguei minha câmera de filmar e juntamente com Andrea, minha esposa, saímos correndo para o Abbey Road.‬

‪Incrível, do lado do fora Abbey Road  Studios, os turistas tiravam fotos atravessando a faixa de pedestres como na capa do álbum Abbey Road dos Beatles e nós, realmente, estávamos entrando no estúdio!‬

‪Já na recepção falei com a recepcionista que, com a maior gentileza, sem frescuras ou pedir identificação nos conduziu por aquele corredor que eu já conhecia até a porta do Studio II. A luz vermelha na porta do estúdio estava acesa, sinal de que havia gravação em progresso. Ela nos orientou à entrar com cuidado e voltou para a recepção.‬

Abri a porta com cuidado. A mesma já dava direto para dentro do “Control Room”, a sala de som, onde Sam Okell e seu assistente Peter, os engenheiros de som, estavam trabalhando. Cabe lembrar que apesar de jovem a lista de nomes com que San trabalhou é muito extensa para mencionar aqui.  Basta dizer que ele fez parte do grupo de engenheiros que remasterou o catálogo completo dos Beatles. Estes 13 álbuns lançados em 09/09/2009 já venderam mais de 17 milhões de cópias pelo mundo afora.‬

O ProTools estava rolando. Podia ouvir-se a voz do Marco nos monitores. Ele estava gravado a música Blow Away do George Harrison.  Naquele momento Marco estava gravando a guitarra. Marco estava tendo dificuldades para colocar um pequeno solo e, depois de várias tentativas, conseguiu, só para San dizer: “Está bom mais sei que você pode fazer melhor, vamos gravar novamente!”. ‬

Aquele estúdio imenso estava sendo usado apenas pelo Marco Antonio, Elihu e seu filho Gabriel o baterista que tinha apenas 16 anos. Realmente, um privilégio para poucos estar gravando neste espaço lendário e ainda mais com um engenheiro do calibre de Sam Okell nos controles. ‬

‪San e Peter, tranqüilos e com aquela paciência de Jo, cheios de gentilezas,  nem se perturbaram com a nossa presença. Nos deixaram à vontade.‬

sam_okell

‪Quando o Marco acabou de por a guitarra, ficou decidido que, agora ele iria gravar o baixo.  Os técnicos desceram as escadas que levam ao estúdio propriamente dito e, foram acertar o amplificador do baixo. Nós, aproveitamos a oportunidade e fomos atrás. ‬

abbey_road_pianoO piano que eu tive a honra de tocar!

‪Já tinha orientado Andrea para começar a filmar imediatamente. Marco estava ocupado e, depois do rápido aperto de mão, perguntei: ‬

‪“Oi Marco posso "sentir” este piano?". Ele falou:‬

‪"Manda bala!" e acrescentou:‬

‪"Aquele piano velho, modelo armário, que está ali é o que o Paul gravou Lady Madona!” Olhei para ele com um sorriso e respondi:‬

‪"Desculpe-me mas prefiro tocar naquele de calda preto que o John Lennon tocou..." Fui lá, sentei na banqueta daquele pianão e tive meus quase 3 minutos de prazer ininterrupto!

Meu tempo foi bem curto. Como sempre, durante o improviso, cometi alguns esbarrões aqui e ali. Durante a gravação pode-se ouvir o barulho dos técnicos puxando equipamento pelo chão e gente conversando. A câmera tremeu muito e não havia luz suficiente para a filmagem. Mas, eu não me importo!!! Agora posso morrer em paz!!!!

‪Olhei no relógio e percebi que o tempo estava passando rapidamente, lá fora, estava um calor danado (32 Graus), tinha transpirado bicas, não tinha condições de ir direto para o hospital. O negócio era voltar correndo para casa, tomar um banho e correr novamente para o Royal London Hospital em White Chapell.‬

‪No Metro, indo para casa, várias vezes as lágrimas escorreram.... Já à noite, sózinho na cama do hospital, ligado nos tubos, recebendo soro, pensava que parecia coisa de filme. Um "minuto" atrás estava dentro do Abbey Road Studios tocando e no outro numa cama de hospital vendo o soro pingar e descer até meu braço. ‬

‪Surpreendentemente minha semana fantástica ainda não havia terminado!‬

‪Saí do hospital na quinta e já na sexta fui assistir o show do Iron Maiden no O2 Arena. Mais um grande presente do meu amigo Marcelo Carvalho!‬

‪Dá até medo! Será que esta é a calmaria antes da tempestade!!!‬

Antonio Celso Barbieri‬

barbieri_abbey_road_crossing
Barbieri, seguindo os mesmos passos dos garotos de Liverpool!

The Beatles no Abbey Road Studios em 1967
(incrível! Os pianos, hoje, ainda são os mesmos!)

beatlles_abbey_road_04
Olha lá no fundo, o piano que eu toquei!

beatlles_abbey_road_01
Paul tocando o Hammond que aparece no vídeo

beatlles_abbey_road_02

beatlles_abbey_road_03
O Studio II não mudou nada!

Comments (3)

Meu caro, que belos presentes sucessivos: experiencia e curtição! Por enquanto vamos deixar as tempestades para bem mais tarde! Forte abraço

 

Barbieri, cara não sabia do seu aneurisma! Li o email agora. Amigo estou mentalizando muita Luz espiritual para sua melhora total.Tenho certeza que você logo estará melhor. Grande abraço<br />P. S Muito legal tocando piano no estudio...

 

Barbieiri, obrigado por dividir suas experiências, também vivi os anos 80 e o Heavy Metal, lembra da voz berrando Black Metal no final do LP Korsus ao vivo era o Rodolfo meu grande amigo também vi o Santuário ao Vivo no Carbono 14, vi que o ex...

Barbieiri, obrigado por dividir suas experiências, também vivi os anos 80 e o Heavy Metal, lembra da voz berrando Black Metal no final do LP Korsus ao vivo era o Rodolfo meu grande amigo também vi o Santuário ao Vivo no Carbono 14, vi que o ex vocal deixou um mensagem para vc, saúde e tudo de bom pra vc. Wagner

Read More
 
There are no comments posted here yet

Leave your comments

Posting comment as a guest.
Attachments (0 / 3)
Share Your Location
Type the text presented in the image below

Comentários

Anderson Freitas posted a comment in Monterey Pop Festival (1967): Contado por quem esteve lá!
Saudações! Eu sempre acesso esse site para ler essa história. Fique muito triste agora. O senhor Stan Delk faleceu em 2016.<br />https://www.findagrave.com/memorial/171638689<br /><br />Descanse em Paz!<br /><br />Barbieri Comenta: Ele foi muito gentil comigo, disponibilizou o seu texto e acreditou nas minhas boas intenções! Quanto a matéria ficou pronta ele ficou muito satisfeito! R. I. P.
Neuza Maria posted a comment in Tony Osanah: Um argentino bem brasileiro
Muito interessante essa matéria sobre o Tony Osanah. Sou amiga pessoal dele há mais de 30 anos e hoje relembrei muitas coisas sobre ele, que já havia me esquecido. Grande talento! Ele está em visita no Brasil, esteve em Peruíbe até o dia 24 de janeiro e deverá retornar para a Alemanha no dia 07 de fevereiro. Pena que não programou nenhuma apresentação por aqui.
Daniel Faria posted a comment in JAJI: Homenagem postuma!
Tive o grande prazer de trabalhar com Jaji na decada de 1990. As festas no apartamento dele eram legendárias. Só fiquei sabendo da morte dele em 2017 e fiquei bem triste. Ele faz falta e será sempre honrado pelo público Metal de São Paulo.
Olá Barbieri! Que legal esse artigo, é sempre maravilhoso poder "beber" de fonte sábia. Neste sábado, 13/01/2018, teremos a chance de conferir o ensaio aberto da Volkana no Espaço Som, em São Paulo. A boa notícia é que, a exemplo do Vodu, que voltou à ativa em 2015, as meninas também decidiram se reunir, esperamos ansiosos que depois desse ensaio aberto role outros shows por ai. Um grande abraço!
Já sofremos muito também tentando fazer festivais. Mas resolvemos nos dedicar ao rock nacional de outras formas. Lançamos nosso primeiro disco https://base.mus.br que é para mostrar nosso amor pelo rock brasileiro.
André Luiz Daemon posted a comment in Luiz Lennon (Beatles Cavern Club)
Olá, boa noite! Alguém poderia me dizer o nome da música de abertura do programa Cavern Club que foi ao ar após o falecimento do saudoso e inesquecível Big Boy.<br />Logo após o seu falecimento, outro locutor entrou em seu lugar, e a abertura do programa era com o ex-Beatle Ringo Starr cantando.<br />Se alguém souber, por favor, me mande por e-mail, procuro essa música há muitos anos e signiifca muito para mim.<br />Valeu, abraços aos Beatlemaníacos que nem eu!!
José Carlos posted a comment in Tony Osanah: Um argentino bem brasileiro
Confirma pra mim, eu ouvi falar que o vocal da música Graffitti do Paris Group e de Tony Osanah, e que na realidade a banda nunca existiu. Foi um jingle produzido exclusivamente para a propaganda da calça Lewis e devido ao sucesso na televisão foi forjada uma banda para gravar um compacto e faturar uma grana em cima. É verdade?<br /><br />Oi José Carlos, sinto muito mas não tenho como confirmar esta história, entretanto, sei que nos anos 60 e 70 várias bandas brasilerias gravaram faixas em inglês usando nomes fictícios. Quer dizer, não será surpresa se for verdade!
Em se tratando de ROCK, é sem dúvida A Melhor Banda de ROCK até hoje.Acho o som deles o máximo. Conheci a pouco tempo (2010) e ouço desde então... Muito feras
jeronimo posted a comment in Delpht - Far Beyond (CDR Demo - 1997)
você podia disponibilizar essa demo para download pois ela não se encontra a venda
Parabéns Barbieri!!! ficou perfeito, muito original e harmônico, com o peso certo. Muito gostoso ouvir seu som.
CK posted a comment in Carioca & Devas
Ei! Obrigado por este artigo, ótima história e histórias.<br /><br />Hey! Thank you for this article, great history and stories. <br /><br />Thanks again!<br /><br />CK
Eu tinha 14 para15 anos em 1966 quando estava com outros amigos mais velhos e todos cabeludos na Av.Sao Luiz quando começaram a jogar pedras e saímos correndo pela. 7 de abril descemos a 24 de maio queriam nos matar uma multidão eu entrei no Mappin até chegar a polícia para nós tirar de lá.
De acordo com um set list desse show que achei na minha coleção, as músicas tocadas foram Maria Angélica, Perfume, British, Variações, Dissipações, Súplicas, Boca e Vade Retro.
Muito legal ver isso. Estive em muitos shows aqui relatados. O festival com o Dorsal, Vulcano em Santos, teve uma cena memorável quando o vocalista do Crânio Metálico, da Bahia, entendeu que as pessoas gritavam "côco metálico" para a banda e nao o nome coorreto. Ele se indignou com a falta de respeito e chamou as pessoas as briga. Muitos se solidarizaram com o vocalista da banda e o aplaudiram, repugnando o preconceito. Me lembro ainda que nesse show jogaram confete na apresentação do Vulcano e depois a serragem. Era tempo de ascenção do Death Metal e que muitos ridicularizavam o Black Metal... Cena triste também... Mas foi uma noite ótima. Vulcano mandou bem e Dorsal fez um show primoroso.
Charles Campos posted a comment in Soul of Honor
https://www.youtube.com/watch?v=Sn2ckIF0Gbk
Charles Campos posted a comment in Soul of Honor
Boas recordações de minha adolescência!!!<br />Assisti a uma apresentação do <br />Bodas de Sangue no Espaço Retrô (Senão estiver enganado)<br /><br />Foi uma baita apresentação!!!
CASSIO VIEIRA posted a comment in Carioca & Devas
Pessoal, alguém saberia me dizer se neste 'Ensaio (1977)' é o Tom (acho que o sobrenome dele é De Maia ou algo assim) que está tocando bateria? Ele morava no meu bairro, e o pai dele era dono da escola em que eu estudava, Colégio 7 de Setembro.
"Suspeitei desde o principio..." (Chapolin Colorado)<br /><br />Muito legal o texto, vivo fazendo coisas no automatico e com o maior temor de ter um colapso mental, e tenho tambem aprendido coisas novas sempre, autodidata por natureza. Agora estou mais tranquilo e posso tranquilizar outras pessoas a minha volta, a solucao e a causa do problema sao simples, (talvez eu tenha que me render aos passinhos de dança do ventre de vez em quando...).<br />Parabens pelo texto
Articles View Hits
2728840

We have 464 guests and no members online

Joomla! Debug Console

Session

Profile Information

Memory Usage

Database Queries