Delpht - Far Beyond (CDR Demo - 1997)

delpht band
Ronaldo Simolla (Vocals), Luiz Casadio (Guitarra), Rodrigo Cruz (Guitarra),
Alexandre Callari (Bateria), Douglas Baldan (Teclados) e Felipe Carvalho (Baixo).

DELPHY

Por alguns anos, em Londres, desempenhei a função de Correspondente Internacional para a revista Dynamite. Não digo que trabalhei para a Dynamite, porque trabalhar implicaria receber um salário, entretanto, apesar da falta de pagamento, houve certos benefícios de dar inveja. Recebi das gravadoras centenas e centenas de CDs e assisti muitos shows gratuitamente, entrevistei muitos músicos famosos e também fiz umas viagens interessantes. 

Além disso, mantive na revista a minha coluna mensal chamada “London Calling” onde eu pude meter o pau nas produções internacionais ruins e valorizar o produto nacional. Aliás, os ingleses são muito bons nisto, valorizar o deles e ignorar o resto do mundo é o que eles sabem fazer bem. Para mim, o nome disso é hipocrisia. Eles costumam insinuar que o Terceiro Mundo é macaco mas, na verdade, se olharmos com mais atenção descobriremos que eles é que são micos. A grande diferença é que eles são macacos ricos e com uma maquina publicitária fantástica. Nós no final, até acreditamos que foram os Sex Pistols os pais do movimento punk e, até acreditamos que Saddam Hussein tinha armas de destruição em massa.

Mas, voltando ao assunto principal, muitas bandas brasileiras ficaram sabendo pela revista Dynamite da minha existência e, acabaram batendo aqui na minha porta. É lógico que, na medida do possível, ajudei à todo mundo.Então, em 1998, seguindo o caminho feito por muitos outros, Ronaldo Simolla (Vocal) e Alexandre Callari (Bateria) da banda Delpht estiveram em Londres. Neste período eles ficaram hospedados aqui em casa. Quando se foram deixaram comigo várias cópias do seu CDR Demo chamado “Far Beyond”.

Como eu estava de passagem marcada para Canes na França, onde iria cobrir o MIDEM que é um encontro anual da indústria fonográfica, onde acontece um tipo de feira para “troca de figurinhas” entre as gravadoras, obviamente levei o CDR do Delpht para ver se conseguia alguma coisa para a banda.Infelizmente, o MIDEM daquele ano estava,  para o rock pesado, muito fraco. O povo só queria saber do “Dance”.

No último dia da feira, cansado de andar carregando uma mochila cheia de CDs nas costas, procurei um lugar para sentar-me. Acabei sentando-me ao lado deste homem já de certa idade, cabeludo e usando uma camiseta preta.

Ele parecia, como eu, meio deslocado e não demorou muito para iniciarmos uma conversa. O nome dele era Michael Brakle. Segundo ele, ele era o produtor de dois programas de rock para rádios na área de Ruhr na Alemanha. Ainda segundo ele seus programas de rádio tinham uma audiência potencial de 1.5 milhões de pessoas. Além disso ele também trabalhava com outras duas rádios, Rádio Bielefeld  e Rádio Soest. Além de tocar rock, os programas também incluíam entrevistas e shows tipo “unpluged” gravados ao vivo no próprio estúdio. Se não bastasse tudo isto, Michael ainda era o editor da revista Oblivion que era lançada à cada dois meses e, para terminar, ainda tinha o serviço de distribuição de discos pela Alemanha pelo selo chamado Ruhr-Rock-Records.

Com um currículo destes, imediatamente dei uma cópia do CD do Delpht para Michael pedindo para ele dar uma força para banda.

Depois de muitos anos na estrada, aprendemos à não nos envolver emocionalmente com o trabalho musical. No fundo por melhor que fosse, o que levava nas mãos era apenas mais um produto, mais uma gota d’água no oceano do rock mundial. Eu mesmo, recebi muito material de bandas internacionais as quais não ouvi mais que 30 segundos de cada faixa.

Portanto, a chance de mais uma banda brasileira ir direto para o “Buraco Negro" do esquecimento era quase certa. Eu sei que a feira acabou, voltei para Londres e já tinha passado mais de um mês quando recebi uma ligação da Alemanha. Era Michael. Ele tinha tocado o CD Demo do Delpht na rádio e muita gente tinha ligado para a estação querendo saber mais sobre a banda. Michael desejava entrevistar o pessoal do Delpht e, para isto, queria confirmar meu número de fax para mandar uma carta oficializando a coisa

ruhr fax
Fax enviada por Michael Brakle

Então, entrei em contato com o Delpht no Brasil e acertei horários para que a entrevista acontecesse.

Estou contado esta história porque considerando-se que Delpht era uma banda relativamente desconhecida, conseguir este nível de divulgação e reconhecimento é quase inacreditável.

Eu já tinha gostado do som da banda mas, com todo este interesse alemão, eu fui ouvir de novo...

Pensando bem, desde o nome "Delpht" até o tipo de som corajoso e pretensiosamente meio operístico deixava claro que esta banda com a devida produção poderia vender na Alemanha mais que cerveja na esquina. OK, pode até ser que eu esteja exagerando um pouco, mas, que o potencial desta banda era muito bom, isto não tenham dúvidas.

Bom, só para terminar, gostaria de dizer que o grande filósofo Celso Barbieri sempre disse: "Só chegam lá, aqueles músicos com coragem para tomar todos os riscos!" :-)

Antonio Celso Barbieri

delpht cover

delpht thanks
Nota de agredimento deixado por Ronaldo e Alexandre.

Comments (1)

  1. jeronimo

você podia disponibilizar essa demo para download pois ela não se encontra a venda

 
There are no comments posted here yet

Leave your comments

Posting comment as a guest.
Attachments (0 / 3)
Share Your Location
Type the text presented in the image below

Comentários

Anderson Freitas posted a comment in Monterey Pop Festival (1967): Contado por quem esteve lá!
Saudações! Eu sempre acesso esse site para ler essa história. Fique muito triste agora. O senhor Stan Delk faleceu em 2016.<br />https://www.findagrave.com/memorial/171638689<br /><br />Descanse em Paz!<br /><br />Barbieri Comenta: Ele foi muito gentil comigo, disponibilizou o seu texto e acreditou nas minhas boas intenções! Quanto a matéria ficou pronta ele ficou muito satisfeito! R. I. P.
Neuza Maria posted a comment in Tony Osanah: Um argentino bem brasileiro
Muito interessante essa matéria sobre o Tony Osanah. Sou amiga pessoal dele há mais de 30 anos e hoje relembrei muitas coisas sobre ele, que já havia me esquecido. Grande talento! Ele está em visita no Brasil, esteve em Peruíbe até o dia 24 de janeiro e deverá retornar para a Alemanha no dia 07 de fevereiro. Pena que não programou nenhuma apresentação por aqui.
Daniel Faria posted a comment in JAJI: Homenagem postuma!
Tive o grande prazer de trabalhar com Jaji na decada de 1990. As festas no apartamento dele eram legendárias. Só fiquei sabendo da morte dele em 2017 e fiquei bem triste. Ele faz falta e será sempre honrado pelo público Metal de São Paulo.
Olá Barbieri! Que legal esse artigo, é sempre maravilhoso poder "beber" de fonte sábia. Neste sábado, 13/01/2018, teremos a chance de conferir o ensaio aberto da Volkana no Espaço Som, em São Paulo. A boa notícia é que, a exemplo do Vodu, que voltou à ativa em 2015, as meninas também decidiram se reunir, esperamos ansiosos que depois desse ensaio aberto role outros shows por ai. Um grande abraço!
Já sofremos muito também tentando fazer festivais. Mas resolvemos nos dedicar ao rock nacional de outras formas. Lançamos nosso primeiro disco https://base.mus.br que é para mostrar nosso amor pelo rock brasileiro.
André Luiz Daemon posted a comment in Luiz Lennon (Beatles Cavern Club)
Olá, boa noite! Alguém poderia me dizer o nome da música de abertura do programa Cavern Club que foi ao ar após o falecimento do saudoso e inesquecível Big Boy.<br />Logo após o seu falecimento, outro locutor entrou em seu lugar, e a abertura do programa era com o ex-Beatle Ringo Starr cantando.<br />Se alguém souber, por favor, me mande por e-mail, procuro essa música há muitos anos e signiifca muito para mim.<br />Valeu, abraços aos Beatlemaníacos que nem eu!!
José Carlos posted a comment in Tony Osanah: Um argentino bem brasileiro
Confirma pra mim, eu ouvi falar que o vocal da música Graffitti do Paris Group e de Tony Osanah, e que na realidade a banda nunca existiu. Foi um jingle produzido exclusivamente para a propaganda da calça Lewis e devido ao sucesso na televisão foi forjada uma banda para gravar um compacto e faturar uma grana em cima. É verdade?<br /><br />Oi José Carlos, sinto muito mas não tenho como confirmar esta história, entretanto, sei que nos anos 60 e 70 várias bandas brasilerias gravaram faixas em inglês usando nomes fictícios. Quer dizer, não será surpresa se for verdade!
Em se tratando de ROCK, é sem dúvida A Melhor Banda de ROCK até hoje.Acho o som deles o máximo. Conheci a pouco tempo (2010) e ouço desde então... Muito feras
jeronimo posted a comment in Delpht - Far Beyond (CDR Demo - 1997)
você podia disponibilizar essa demo para download pois ela não se encontra a venda
Parabéns Barbieri!!! ficou perfeito, muito original e harmônico, com o peso certo. Muito gostoso ouvir seu som.
CK posted a comment in Carioca & Devas
Ei! Obrigado por este artigo, ótima história e histórias.<br /><br />Hey! Thank you for this article, great history and stories. <br /><br />Thanks again!<br /><br />CK
Eu tinha 14 para15 anos em 1966 quando estava com outros amigos mais velhos e todos cabeludos na Av.Sao Luiz quando começaram a jogar pedras e saímos correndo pela. 7 de abril descemos a 24 de maio queriam nos matar uma multidão eu entrei no Mappin até chegar a polícia para nós tirar de lá.
De acordo com um set list desse show que achei na minha coleção, as músicas tocadas foram Maria Angélica, Perfume, British, Variações, Dissipações, Súplicas, Boca e Vade Retro.
Muito legal ver isso. Estive em muitos shows aqui relatados. O festival com o Dorsal, Vulcano em Santos, teve uma cena memorável quando o vocalista do Crânio Metálico, da Bahia, entendeu que as pessoas gritavam "côco metálico" para a banda e nao o nome coorreto. Ele se indignou com a falta de respeito e chamou as pessoas as briga. Muitos se solidarizaram com o vocalista da banda e o aplaudiram, repugnando o preconceito. Me lembro ainda que nesse show jogaram confete na apresentação do Vulcano e depois a serragem. Era tempo de ascenção do Death Metal e que muitos ridicularizavam o Black Metal... Cena triste também... Mas foi uma noite ótima. Vulcano mandou bem e Dorsal fez um show primoroso.
Charles Campos posted a comment in Soul of Honor
https://www.youtube.com/watch?v=Sn2ckIF0Gbk
Charles Campos posted a comment in Soul of Honor
Boas recordações de minha adolescência!!!<br />Assisti a uma apresentação do <br />Bodas de Sangue no Espaço Retrô (Senão estiver enganado)<br /><br />Foi uma baita apresentação!!!
CASSIO VIEIRA posted a comment in Carioca & Devas
Pessoal, alguém saberia me dizer se neste 'Ensaio (1977)' é o Tom (acho que o sobrenome dele é De Maia ou algo assim) que está tocando bateria? Ele morava no meu bairro, e o pai dele era dono da escola em que eu estudava, Colégio 7 de Setembro.
"Suspeitei desde o principio..." (Chapolin Colorado)<br /><br />Muito legal o texto, vivo fazendo coisas no automatico e com o maior temor de ter um colapso mental, e tenho tambem aprendido coisas novas sempre, autodidata por natureza. Agora estou mais tranquilo e posso tranquilizar outras pessoas a minha volta, a solucao e a causa do problema sao simples, (talvez eu tenha que me render aos passinhos de dança do ventre de vez em quando...).<br />Parabens pelo texto
Articles View Hits
2549288

We have 162 guests and no members online