Carioca & Devas

devas_rootsDevas logo criado por Barbieri em 1977.

Carioca & Devas

Ano: 1977

Não me recordo como acabei conhecendo Carioca, um músico virtuoso. Só sei que assisti um ensaio de sua banda Devas e fiquei hipnotizado pelo Rock Progressivo que faziam.

O som da banda soava um pouco como a bandaYes mas, com mais influência de música clássica e também com pitadas de música medieval e elementos da música folclórica brasileira.Devas possuía uma som único e interessante.

Não resisti a tentação de produzir um concerto. Fui no Teatro Arthur Azevedo que fica localizado no bairro da Moóca na capital de São Paulo e reservei os dias 18, 19, 20 e 21 de agosto de 1977, um fim de semana.

carioca_foto01
Ronaldo Freitas também conhecido como Carioca

panfleto

Já nos ensaios percebi que visualmente a banda era fraca com os músicos tocando sentados. Portanto, além da iluminação, aluguei um projetor com carrossel giratório para fazer retro-projeção de slides por traz do palco. Os slides mostravam fotos que havia tirado das páginas da minha coleção de revistas de ficção científica chamada Science Fiction que era publicada em Londres. Eram imagens, totalmente desconhecidas do grande público, de paisagens futurísticas e seres estanhos. Duas destas imagens acabariam virando as capas para os álbuns Korzus ao Vivo e São Power que produziria para a gravadora Devil Discos em 1986.

Para técnico de som contei com a ajuda inestimável do meu grande amigo George Romano, hoje um gênio da eletrônica e atualmente dono da empresa Intermusic - Eletrônica Indústria e Comércio Ltda. (clique aqui). Sua empresa é uma assistência técnica autorizada no reparo das mais famosas marcas mundiais de instrumentos eletrônicos. Teclados, sintetizadores, mesas de som, baterias eletrônicas, etc. Seus clientes são a nata dos músicos brasileiros.

Bom, retornando ao Devas, o show correu muito bem tecnicamente mas não foi bom de público. Lamentavelmente, no mesmo fim de semana esteve apresentando-se pela primeira vez no Brasil o legendário Joe Cocker. A notícia do show do Joe Cocker só veio à público quando o show do Devas já estava anunciado e não pudemos fazer mais nada à respeito.

 

Este show do Devas tem um significado todo especial para mim porque foi o primeiro show que produzi onde coloquei publicidade nos jornais, fiz panfleto e mini-poster, mandei imprimir ingressos, aluguei caminhão para transportar equipamento, etc. Quer dizer, considero que este show tenha sido a minha primeira produção realmente profissional. Infelizmente nem eu nem a banda tínhamos muito conhecimento à respeito de divulgação de shows, tanto na rua quanto na imprensa.

A última vez que vi o Carioca foi neste show. Hoje penso que, talvez tenha havido um sentimento de desapontamento ou culpa de ambas partes. A verdade é que ninguém procurou uma aproximação e a colaboração entre Devas e Barbieri acabou aí.

lenitaMinha irmã Lenita pousando para a afinação dos holofotes.

helenaMinha irmã Lenita e minha mãe Dona Helena.

A única imagem que tenho deste show é uma foto da minha irmã Lenita no palco servindo como referência para a afinação dos holofotes de luz. Minha mãe (hoje falecida) também estava lá e, depois do show, quando perguntei se tinha gostado ela respondeu toda sem jeito que não tinha resistido e tirado uma soneca o show inteiro :-)

poster_bigO mini poster publicitário do show. Arte do Barbieri.

Alguns dias antes deste show acontecer, num dos ensaios na residência do Carioca, levei meu gravador de rolo Akay 4000DS Mk-II e lá, gravei algumas músicas. Alguns anos depois, vendi o gravador Akay e fiquei só com um monte de fitas num canto da casa juntando poeira. Muitos anos se passaram e, já morando em Londres, quando passava em frente à uma loja de equipamentos usados vi na vitrine um gravador Akay igualzinho ao que eu tinha, em muito bom estado e por um preço bem barato. Movido pelo saudosismo, não resisti a tentação e comprei-o imediatamente. Algum tempo depois, quando estive no Brasil em férias, na volta, trouxe todas as minhas fitas de rolo para Londres. Infelizmente, descobri que o tempo, a umidade e a oxidação tinham degradado muito a qualidade das gravações. De qualquer forma, muito embora a qualidade desta gravação esteja bastante pobre, achei por bem mostrar aqui para todos vocês pois trata-se de um registro raro com mais de 30 anos que, mostra o grande potencial artístico musical do Carioca e sua banda Devas.

Antonio Celso Barbieri

ingresso
Na época recordo-me que fiquei muito orgulhoso de ver meu primeiro ingresso impresso!!!

tijolo_no_jornal
Há!!! Imaginem só já em 1977 publicando um "tijolinho" no Estadão!!!

 

CARIOCA (Ronaldo Freitas) Histórico

1955
Nasce no Rio de Janeiro. Desde muito cedo começa seus estudos de música e monta suas primeiras bandas de rock, onde atua como cantor e guitarrista.
1970/79
Lider do grupo de rock progressivo "Carioca e Devas", apresentando-se por todo Brasil.
1977/78
Começa a trocar a guitarra de 2 braços por violões de 6, 8, 10 e 12 cordas. Além de pesquisar outros estilos musicais e diferentes afinações em seus instrumentos.
1979/80
Realiza seu 1º álbum Mistério da Amazônia. Ele traduz em música instrumental sua interpretacão da amazônia indígena, com seus diferentes matizes, tonalidades e riquezas culturais, nos apresenta o boi bumba, e muitos outros, desde então com muito lirismo, bom gosto e muito boa execução. Este álbum é muito aplaudido pela crítica especializada.
1980
Faz sua primeira viagem a Europa, onde trabalha em estúdios, rádios e realiza vários concertos pelos diversos paíse por onde passou.
1981
Excurciona com Egberto Gismonti e Grava para Carmo/ECM.
1982/85
Além de vários concertos pelo Brasil, trabalha como arranjador para mais de 30 LPs independentes e como professor ensinando em São Paulo e no estado do Paraná. Neste período também compôs trilhas para teatro, teatro de bonecos, balé e cinema, e essas atividades, todas, vem realizando até os dias de hoje.
1986/87
Grande tournée: Australia, Japão, Índia, Bali, Indonésia, Europa - Concertos, palestras e workshops.
1988
Residindo na Suíça, junto com Ted Barlocher funda a Escola de Samba do Apito, hoje com mais ou menos 80 integrantes, muitos concertos com diferentes formações, muitos arranjos para CDs e composições para trilhas, muitas gravações para rádio e televisão, transmitidos para Europa e África do Sul, além de muitos workshops por vários países da Europa, Ásia e Américas do Sul e Central.
2000

Um dos trabalhos do ano 2000, foi sua participação como Convidado Especial no Festival do Grande Encontro Planetário de 05/05/2000, na Costa Rica onde apresentou concertos palestra e workshop.

Apresentação no Jazz Festival do Rio de Janeiro e apresentação no SESC Paulista com gravação para a TV SENAC.

Ainda no ano 2000, realiza mais uma tournée pela Europa, apresentando-se na Alemanha, Suíça, Itália, Ibiza, e no Oriente Médio em várias cidades de Israel, dentre elas Jerusalem, Tel-Aviv, no Castelo do Rei David, na Galiléia e na Jordânia.

2001/06
Viaja em turné se apresentando e dando workshops em países como França, Suíça, Itália, Espanha, Alemanha, Canadá, Havaí e Israel.

DISCOGRAFIA

 
cd_72
Beija Flôr
cd_82
In Circle
cd_92
Meeting in the Forest
cd_32
Ciranda
cd_52
CaRIOca
cd_62
Dança de Cabloco
 
01 Mistérios da Amazônia
02 Luar do Sertão
03 Ciranda
04 7 Dias 7 Instrumentos Músicais
05 CaRIOca
06 Dança de Caboclo
07 Beija Flôr
08 In Circle
09 Meeting in the Forest
10 Danças Brasileiras
11 Ñdaê Vida
12 Uirapuru
cd_42
Once Forever
cd_102
Danças Brasileiras
Ndae
Ñdaê Vida
uirapuru
Uirapuru

carioca_foto02
Ronaldo freitas

www.cariocafreitas.com.br

Comments   

0 #6 CASSIO VIEIRA 2017-06-30 17:26
Pessoal, alguém saberia me dizer se neste 'Ensaio (1977)' é o Tom (acho que o sobrenome dele é De Maia ou algo assim) que está tocando bateria? Ele morava no meu bairro, e o pai dele era dono da escola em que eu estudava, Colégio 7 de Setembro.
Quote
0 #5 Zé Brasil 2014-05-05 14:37
Massavilha Barbieri! Será que eu fui nesse show? Era amigo da banda, frequentavam a minha casa e lembro de um show no Teatro da FGV. Antes de ir para a Inglaterra dei para o Peco, baterista, um tambor Cherokee que trouxe dos EUA em 73 e a Silvia Helena tocava nos sows do Apokalypsis. A Gê Cortes a gente vê na TV (banda Alats Horas) mas o resto da banda nunca mais vi, inclusive o Carioca, que era meu amigo também.
Quote
+1 #4 Gê Côrtes 2013-12-04 23:07
Nossa Celso! Que viagem! Não sei se vc se lembra de mim, mas eu toquei baixo nesse show que teve um significado importante porque foi o primeiro show que eu toquei na minha vida! Lembro que vc alugou uma câmera de eco e uma máquina de fumaça! Obrigada por postar! Bjs Gê
Quote
+1 #3 CARIOCA 2013-11-01 23:34
ola barbieri nunc e tarde de mais musica e sonhos nao envelhecem amem
Quote
0 #2 Guest 2012-06-27 01:29
Carioca no sabia de tu pasado de rockero
xxxxZorah
Quote
0 #1 Guest 2012-04-16 00:32
Olá querido só a música tem essa força de mesmo nós não sabendo um do outro a música liga-nos numa vibração sonora que nos traz de uma hora para outra todos esses tempos que estavam guardados no sub-conciente.

Desde ja agradeco por cuidar desss grandes momentos e traze-los atona. Isso me faz feliz e renanscer uma vez mais para o universo da musica e so tenho a te dizer happy birthday to you e que a idade apenas catalogue os anos mas, o coração fique sempre no presente cheio de amor. Amem! Seja feliz!

Barbieri Responde: Que bom saber de você!!! Please, envie-me um email contando o que tem feito e por onde você anda!
Quote

Add comment

Tenha paciência! Seu comentário aparecerá assim que for avaliado pelo administrador deste site!


Security code
Refresh

Comentários dos Visitantes

Articles View Hits
2345375

We have 141 guests and no members online